segunda-feira, 29 de junho de 2009

ANIMAIS


(Benvinda. Rio de Janeiro)


Como o ser humano se considera maior e melhor do que os outros animais, não consegue raciocinar com clareza a respeito do que acontece com estes últimos.

É portanto, uma questão inusitada quando uma professora de Cognição Animal, de Harvard, Estados Unidos, resolve abandonar empregos para se devotar inteiramente a explorar os limites da inteligência do seu papagaio.

Foi o que aconteceu quando a professora Irene Pepperberg comprou a ave, há 31 anos e é o que ela relata no seu livro "Alex e eu", em que conta as façanhas do seu papagaio, ave que chegou a ganhar um obtuário na revista The Economist.
No entanto, se prestarmosa atenção no que diz a Bíblia, no livro de Isaías e também Salomão no livro de Eclesiastes, talvez possamos entender um pouco mais esses nossos irmãos, como a eles se referia São Francisco de Assis.

TV DESTROI RELACIONAMENTOS

sexta-feira, 26 de junho de 2009

MALANDRO É MALANDRO E MANÉ É MANÉ

Infelizmente a cultura do brasileiro, povo latino por excelência, o incentiva a "se dar bem em tudo", privilegiando o jeitinho, em detrimento do direito dos demais.

Quando vamos aprender que respeitar fila é a primeira prova de que somos um povo civilizado e que, se encontramos alguém na fila, é por que essa pessoa chegou antes de nós, e está exercendo um direito dela?

Imagino se as pessoas que acham bonito furar filas em supermercados, padarias ou em lotéricas, são as mesmas que reclamam no Procon quando um direito seu é desrespeitado ou não aceitam quando o "senador" coloca os seus dependentes para ocuparem lugares indevidos, usurpando o direito dos demais.

Na novela dos oito, na TV Globo, temos a figura do Cézar, que retrata bem a figura do malandro e até atrai risos dos telespectadores, com a sua tremenda "cara-de-pau", sempre querendo se dar bem à custa dos demais, mesmo que estes sejam a sua filha ou a sua esposa.

Será que nós não estamos já bem crescidinhos, como povo, para dar um basta a essa cultura?
Fica a pergunta.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

NEM TUDO ESTÁ PERDIDO...

Enquanto os líderes de governo e oposição pedem o afastamento do Presidente do Senado, José Sarney, como se isso bastasse para moralizar o Senado, e Obama, Presidente dos Estados Unidos da América (o que é bom para os EUA, não é bom para o Brasil), elogia o Presidente Lula, no Estado do Maranhão, vive-se a festa do Bumba-meu-Boi.
Lembro-me que, quando criança, lá em Bacabal, isso já vai para lá de meio século, eu tinha medo da música do Bumba-meu-Boi. Deitada em minha rede, ficava a imaginar a morte do boi, o feitiço do pajé e o renascimento do mesmo boi (essa é a lenda).
Recordo-me também que, quando eu chorava, ou por ter apanhado da minha mãe ou por alguma coisa que me havia sido negada, meu irmão, bem mais velho que eu, chegava perto de mim e, para me consolar, recitava uma parte da história do Chapeuzinho Vermelho que diz: _ Não chores, porém, criança, pois nem tudo está perdido, quando resta uma esperança...
Talvez seja dessa esperança que ainda se alimenta o brasileiro e sobretudo o maranhense que ainda tem alegria para brincar o seu Boi.

OSCIP MARIA MARIA

A OSCIP MariaMaria, com todas as suas dificuldades e sem dinheiro, são 7 anos de discussão. E posso dizer que está com boa repercussão. Apenas está precisando tomar um rumo.


Uma andorinha só não faz verão, mas o sol continua brilhando...

Quer saber mais sobre o CNES - CADASTRO NACIONAL DE ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA?
Clique aqui

quarta-feira, 24 de junho de 2009

OFÍCIO

O ofício deve conter as seguintes partes:
a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão que o expede:
Exemplo:
Of. 123/2002-SG/BCB
b) local e data em que foi assinado, por extenso, com alinhamento à direita:
Exemplo:
Brasília, 24 de junho de 2009.
c) assunto: resumo do teor do documento
Exemplo:
Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.
d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também o endereço.
e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura:
- Introdução, que se confunde com o parágrafo de abertura, na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação. Evite o uso das formas: "Tenho a honra de", "Tenho o prazer de", "Cumpre-me informar que".
- Desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o texto contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à exposição;
- conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapresentada a posição recomendada sobre o assunto.
Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.
Já quando se tratar de mero encaminhamento de documentos a estrutura é a seguinte:
- introdução: deve iniciar com referência ao expediente que solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sendo encaminhado, segundo a seguinte fórmula:
"Em resposta ao Aviso nº 01, de 25 de maio de 2009, encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 2009, do Departamento de Segurança, que trata da requisição do servidor Fulano de Tal."
Ou
"Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama n. 12, de 1º de fevereiro de 2009, do Presidente da FEBRABAN, a respeito de projeto de modernização de técnicas de segurança para Bancos."
- desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer algum comentário a respeito do documento que encaminha, poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou ofício de mero encaminhamento.
f) fecho;
g) assinatura do autor da comunicação; e
h) identificação do signatário.

MODELO DE SOLICITAÇÃO DE TREINAMENTOS JUNTO AO PAI PAD




Timbre da Prefeitura Solicitante


Nome do Município, _____ de _______________ de 2008.



Ilmo. Sr.
Prof. Dr. Everton Felipe Furtado
MD Coordenador
PAI PAD/Ribeirão Pires

Venho por meio deste, solicitar, junto ao PAI PAD, o curso de treinamento em EDIBS (Estratégias de Diagnóstico e Intervenção Breves para o uso problemático de álcool) para a equipe (do Programa de Saúde da Família ou Programa de Agentes Comunitários de Saúde – especificar), da cidade _____________________, pertencente ao DRS XIII.
Segue abaixo a relação com os nomes de profissionais e suas respectivas funções.




Atenciosamente,



Assinatura da Secretaria Municipal de Saúde

CERTIDÃO

Certidão é um documento no qual o Oficial do cartório certifica que o registro encontra-se devidamente lavrado nos livros sob sua responsabilidade. Independente de despacho judicial e dando fé pública, o oficial reproduz, de forma autêntica e absolutamente confiável, textos de um assento ou documento arquivado em sua serventia, fazendo inserir na certidão, obrigatoriamente, o número do livro, da folha e do termo sob o qual foi lavrado, ou ainda o número do registro ou pasta ou caixa em que o documento encontra-se arquivado. Além do que, as certidões dos atos relativos ao estado civil devem conter sempre a indicação da serventia e o oficial.
No documento constam as principais informações sobre o ato, no caso o nascimento, casamento ou óbito. Se o registro tiver recebido averbações ou anotações após a sua lavratura, as mesmas constarão da certidão, exceto casos proibidos em lei.
A certidão poderá ser emitida por meio manual, datilográfico, computadorizado ou ainda por reprodução através de outros sistemas seguros autorizados em lei.
A certidão também poderá ser fornecida por um órgão público ou instituição particular em resposta a solicitação de cliente, declarando um estado ou direito do mesmo.

MODELO
CERTIDÃO Nº PROCESSO Nº

CERTIFICAMOS, PARA FINS DE ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO, de acordo com os elementos constantes do presente processo e assentamentos desta Seção que, __________________________________, RG_________________________, esteve em efetivo exercício no período de.../.../... a ...../..../.... registrando as seguintes ocorrências:

ANO DE ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Neste período consta/não consta qualquer penalidade administrativa. O referido é verdade. Instituto/Faculdade de________________ do Campus de__________ da Universidade __________________________________________do Estado de ________, Seção______________________, aos (data). _____________________________________.


Elaborada por:
Conferido por:
Nome do servidor
Nº. RG.
Cargo/Função

terça-feira, 23 de junho de 2009

AUTO DE ADJUDICAÇÃO

Adjudicação – “Ato judicial em que o credor recebe a coisa penhorada em pagamento de seu crédito. Só cabe se na praça ou leilão não houve nenhum licitante (arts. 708 e 714 do CPC)”

Art. 708. O pagamento ao credor far-se-á:
I – pela entrega do dinheiro;
II – pela adjudicação dos bens penhorados;
III – pelo usufruto de bem móvel ou de empresa.

Art. 714. Finda a praça sem lançador, é lícito ao credor, oferecendo preço não inferior ao que consta no edital, requerer que lhe sejam adjudicados os bens penhorados.

Não havendo licitantes, tanto no primeiro como no segundo leilão, e ocorrendo a hipótese de o exequente ou credor hipotecário requerer a adjudicação do bem penhorado (art. 714 CPC), a(s) petição (ões) será(ão) juntada(s) ao processo e o mesmo encaminhado ao juiz.

Deferido o pedido para um dos requerentes, será determinada pelo juiz a lavratura do auto de adjudicação.


Veja um modelo aqui

segunda-feira, 22 de junho de 2009

FESTA DE SÃO JOÃO

O Lar dos Velhinhos Bezerra de Menezes, além de abrigar 60 idosos carentes, recebe adolescentes em cumprimento de medidas sócio-educativas.
Para essa festa de São João estão sendo cobrados R$ 3 reais a entrada.
Compareça e ajude essa causa social.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

QUANDO COMEÇA A VIDA?

Enquanto grupos políticos e vários setores da sociedade discutem a legalização do aborto, é conveniente ressaltar a decisão do 3º Grupo Cível do TJRS, que concedeu pagamento do seguro DPVAT por morte de feto em decorrência de acidente de trânsito.
A ação tinha sido analisada pela 5ª Câmara Cível que, por 2 votos a 1, não concedeu o pagamento do seguro.
Cabe destacar o voto da desembargadora Liége Puricelli Pires, em que ressaltou que "apesar do Código Civil entender que a personalidade jurídica da pessoa começa no nascimento com vida, há uma tendência de migração para seu início a partir da concepção". Leia mais

QUE CARINHO É ESSE?

Incrível, mas nós humanos vivemos a nos agredir e temos consciência disso.
Quando fui fazer o seguro do meu carro, fiquei surpresa quando a moça que me atendia, por telefone, perguntou se eu queria determinada cláusula, que não entendi o que era no momento. Questionada, ela me respondeu: _ Essa proteção é para o caso de você agredir verbalmente alguma pessoa, no trânsito.
_ Como é que é? Me explica direito, eu vou agredir alguém no trânsito? E isso é tão comum que já tem até seguro, para o caso de eu fazer isso?

Eu não quis esse item no seguro, achei um absurdo eu admitir que poderia usar de impropérios contra alguém que eu nem conheço, só pelo fato de estar protegida por um automóvel, como se este fora uma couraça, um escudo, ou uma máscara, que me outorgasse o direito de sair por aí desrespeitando os demais.

Mas, infelizmente, acho que muita gente colocou essa cláusula no seguro do seu veículo. Pior ainda, algumas pessoas se dão o direito de agredir fisicamente os outros, mesmo em cidades pequenas, de 90.000 habitantes, como é o caso de Ubá. Não conheço a cidade, mas fui olhar na Internet para ver como ela era.
Surpresa, deparo-me com uma cidade apelidada de "cidade carinho".
Então, só me resta perguntar: Que carinho é esse? Leia mais

quarta-feira, 17 de junho de 2009

ESTADO DO MARANHÃO - PRESOS SÃO INFORMADOS SEMANALMENTE SOBRE EXECUÇÃO DA PENA

Hoje eu fiquei muito feliz ao ler uma notícia sobre o Maranhão. Afinal, em um momento turbulento da política nacional, o nome do Estado é citado por várias instituições públicas e sites variados.

No Maranhão, mais especificamente na cidade de Imperatriz, os presos são respeitados.
A juiza Samira Barros Heluy, da 5ª Vara Criminal de Imperatriz, desenvolve o projeto "Cidadania e Justiça também se aprendem na prisão", voltado para a prestação de informações aos detentos. Parabéns Juiza, a sociedade agradece. Leia mais


CAJE - DF

Merece destaque o trabalho da equipe que "revitalizou" o espaço do CAJE-DF.
De há muito se associa o aspecto exterior com o interior da pessoa.
Se podemos melhorar o exterior, arrumar as coisas nos seus devidos lugares e sobretudo dar luz e cor ao ambiente de trabalho, de estudo ou em que vivemos, isso vai se refletir em quem os observa ou convive com eles.
Está portanto de parabéns a Equipe do CAJE-DF que deu nova cor e luz ao ambiente.

terça-feira, 16 de junho de 2009

3. SELECIONAR UMA SEÇÃO DE CONTROLES DA DO COBIT QUE SEJA RELACIONADA COM A IN 01/GSI

O acórdão 1603/2008 do TCU, que reproduz no essencial o Relatório da Equipe da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação – SEFTI encarregada dos trabalhos trata da segurança da informação. Conforme esse relatório, o gasto em TI ultrapassa seis bilhões de reais por ano, segundo dados do SIAFI e do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST). A equipe elaborou questionário composto de 39 perguntas baseadas nas normas técnicas brasileiras NBR IS0/IEC 17799:2005, NBR IS0/ICE 15999-1:2007 e no “Control Objectives for Information and related Technology 4.1 (Cobit 4.1)”. A norma NBR IS0/IEC 17799:2005 é o código de prática para a gestão da segurança da informação mais adotado em todo o mundo. O Cobit, por sua vez, é um modelo de gestão orientado a processos e está dividido em quatro grandes grupos: Planejar e organizar (Plan & Organise – PO), Adquirir e implementar (Acquire & Implement – AI), Entregar e Assistir ( Deliver & Suport – DS) e Monitorar e Avaliar (Monitor & Evaluate – ME). O TCU utilizou-se do software Risk Manager para o envio, a coleta e a tabulação da sua pesquisa.
3.1. Aplicações do COBIT 4.1
I. Cobit 4.1 PO1. 4 IT Strategic Plan ( Plano Estratégico de TI – Criar um plano estratégico que defina, em cooperação com os principais interessados, como as metas de TI contribuirão para os objetivos estratégicos da organização e quais os custos e riscos associados. O Plano deve incluir os serviços de TI, os ativos de TI e como a área de TI dará suporte aos projetos dependentes de tecnologia da informação. A área de TI deve definir como os objetivos serão alcançados, as métricas a serem usadas e os procedimentos para obter a aprovação formal dos interessados.
II. Cobit 4.1 PO4.3 IT Steering Committee (Comitê Diretivo de TI – Criar um comitê diretivo de TI (ou equivalente) composto de gerentes executivos, de negócios e de TI, para: determinar as prioridades de investimento e alocação de recursos nas ações de TI, alinhadas ás estratégias e prioridades da organização; acompanhar o estágio de desenvolvimento dos projetos e resolver conflitos relativos a recursos; e monitorar os níveis de serviço de TI e suas melhorias).
III. Cobit 4.1 PO7.5 Dependence Upon Individuals (Dependência em Indivíduos – Minimizar a ocorrência de dependência crítica em indivíduos chave por meio de aquisição de conhecimento (documentação), compartilhamento do conhecimento, planejamento de sucessão e equipe reserva).
O TCU em seu trabalho faz várias referências ao modelo Cobit 4.1.
Eu, portanto, como já deixei claro no início do trabalho, não disponho de um cabedal de experiência tão avantajado para propor soluções, resta-me aprender com os mestres do ofício.



REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
[1] INSTRUÇÃO NORMATIVA GSI Nº 1, DE 13 DE JUNHO DE 2008.
[2] INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 19 DE MAIO DE 2008, do Secretário de Logística e Tecnologia do MPOG
[3] PORTARIA Nº 11, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008, da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do MPOG.
[4] Gonçalves, Sônia e Fresneda, Sérgio. Política de Conhecimento. Câmara dos Deputados, 2007
[5] Módulo. 10ª Pesquisa Nacional de Segurança da Informação
[6] Tribunal de Contas da União. Acórdão 1603/2008 – Plen

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ATUAL DA TI NA APF

I. Ausência de planejamento estratégico institucional em vigor
a) MÓDULO - 2006:
É grande o número de companhias (33%) que não sabem quantificar as perdas ou sequer identificar os responsáveis pelo problema (21%). O motivo pode ser a falta de um planejamento formal de segurança, que muitas destas empresas não possuem (35%) ou usam há apenas um ano (31%).
b) TCU – 2008
Um percentual expressivo dos 255 órgãos/entidades pesquisados (47% ) não tem planejamento estratégico institucional em vigor. O fato de haver planejamento estratégico institucional não garante que haverá planejamento estratégico institucional de TI. Em 40% das organizações que dispunham do primeiro, não havia o segundo.
II. Ausência de comitê diretivo de TI
a) MÓDULO – 2006:
Por conta desta dificuldade em apontar responsáveis, as companhias acabam se dedicando apenas a corrigir a falha (48%), quando descoberta, ou tomam providências internas (25%), acionando por conta própria o causador do problema. Quando conseguem identificar os responsáveis, as empresas descobrem que a maioria das falhas de segurança é causada por funcionários (24%) e hackers (20%) e que problemas como vírus (15%), spam (10%) e fraudes (8%) são os que mais causam danos financeiros.
b) TCU – 2008:
Menos de um terço (32%) dos órgãos/entidades pesquisados declararam possuir um comitê diretivo de TI ou algo equivalente. Por não haver um fórum competente para discussão, as decisões sobre investimentos em TI correm maior risco de serem equivocadas e levarem ao desperdício de recursos, e ainda de não estarem alinhadas aos objetivos da organização.
III. Quantidade reduzida de servidores na área de TI
a) MÓDULO – 2006 :
O maior motivador para a tomada de decisões visando à segurança é o nível de consciência dos executivos e usuários (31%), segundo os pesquisados.
B) TCU – 2008:
Uma quantidade expressiva de órgãos/entidades (95%) informou que possui algum servidor do seu quadro atuando na área de TI. É importante ressaltar que não existe uma resposta definitiva na literatura especializada, nem em estatísticas, para a questão de quanto podemos terceirizar. Uma grande quantidade de terceirizados e de outros colaboradores, no entanto, representa um aumento do risco organizacional.
Além desses problemas identificados tanto por uma empresa privada quanto pelo TCU, este último também listou os seguintes:
Ausência de política de segurança da informação em vigor.
Ausência de plano de continuidade de negócios em vigor.
Ausência de gestão de mudanças.
Ausência de gestão de acordos de níveis de serviços prestados internamente.
Ausência de gestão de acordos de níveis de serviços contratados externamente.
Ausência de processo formal de trabalho para contratações de TI.
Ausência de análise de custo/benefício da solução de TI contratada.
Não-exigência de demonstrativo de formação de preço antes da adjudicação do contrato.
Ausência de processo formal de trabalho para gestão de contratos de TI
Não-realização de reuniões periódicas para avaliar o andamento dos contratos de TI.

Campanha Nacional Criança Não é de Rua

A Campanha Nacional Criança Não É de Rua será lançada no dia 18 de junho, quinta-feira no auditório II do Museu Nacional da República, localizado no início da Esplanada dos Ministérios.


Durante o seminário será apresentada a pesquisa CENSO DA EXCLUSÃO OU FALTA DE INCLUSÃO NOS CENSOS? A (in)visibilidade de meninos e meninas em situação de moradia nas ruas nas capitais brasileiras, pela Assistente Social da Secretaria da Justiça do GDF e Mestre em Ciências Sociais pela UFRN, Juliana Oliveira. Os participantes receberão um exemplar do documento.





Veja aqui o site oficial da Campanha Nacional Criança Não É de Rua

segunda-feira, 15 de junho de 2009

INTRODUÇÃO

O Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) publicou em 2005 um relato sobre a implantação de práticas de Gestão do Conhecimento em vinte e oito órgãos da Administração Direta e em seis empresas estatais do Executivo Federal Brasileiro, por meio de pesquisa e análise comparativa com organizações públicas dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
Dessa mesma forma deveria ser feito o trabalho requisitado pelo insigne professor, para a cadeira de Auditoria e Certificação de Segurança da Informação, ou seja:
1) Delimitar o escopo do trabalho;
2) Escolher uma população inicial a ser estudada;
3) Separar aqueles indivíduos que demonstrem sucesso na sua atividade para posterior estudo e comparação, a fim de se estabelecer o modelo ótimo, ou modelo padrão;
4) Estabelecer unidades de medida e em seguida fazer uma comparação entre cada um dos indivíduos e o indivíduo padrão, para determinar a variação existente;
5) Após um trabalho quantitativo ainda se deveria realizar uma análise qualitativa, de análise dos processos internos de cada uma das organizações pesquisadas;
6) Faz-se ainda necessário esclarecer os conceitos de administração pública direta e indireta.
Ademais, como Bullock, Hellen, Mountford, Juliet et Stanley, Rebeca, citados por Gonçalves, Sônia e Fresneda, Sérgio[4], em trabalho publicado pela Câmara dos Deputados, em 2007, sobre Política de Conhecimento, afirmam, há que se ter:
- uma visão sistêmica das instituições partícipes dos objetivos estratégicos do governo e que levar em consideração todo o público que é afetado, direta ou indiretamente, por essas políticas.
Como não dispomos de recursos primários, como tempo, material, equipamento e pessoas para realizarmos o trabalho como assim descrevemos, utilizaremos pesquisas já realizadas por outros organismos, como é o caso da Módulo, uma equipe técnica do TCU, cujo relatório culminou no acórdão AC-1603-32/08-P e mais a nossa observação e leitura de documentos pertinentes.
A empresa Módulo publicou, em 2006, a 10ª Pesquisa Nacional de Segurança da Informação[ 5], onde realiza análises específicas por segmento e aborda temas como: a condução de análise de riscos nas organizações, capacitação de equipes e a conscientização de funcionários.
Para realizar esse trabalho, a empresa contou com o aporte de cerca de 600 profissionais atuantes nas áreas de Segurança e Tecnologia da Informação de organizações privadas, públicas e de economia mista, nos seguintes setores: Governo (21%), Financeiro (15%), Informática (14%), Indústria (9%), Prestação de Serviços (8%), Telecomunicações (5%), Comércio (4%), Educação (3%), Energia Elétrica (3%), Saúde (2%), Mineração (0,5%), outros (15%).
A pesquisa analisou os seguintes segmentos: Governo, Financeiro, Telecomunicações, Comércio, Indústria e Serviços.

O TCU realizou levantamento para obter informações para elaboração de mapa com a situação da governança de TI na Administração Pública Federal. Em paralelo, foram identificados os principais sistemas e bases de dados da Administração Pública Federal. [6]

COMPETIÇÃO E IMITAÇÃO

A rede Globo tenta superar o mal estar que existe no mundo hoje, exibindo um programa no final da noite de domingo, de extremo mau gosto e grosseria.
Em vez da beleza e riqueza da novela das oito, que todo mundo sabe que é irreal, mas aprecia, enche a sala das pessoas de bem com baratas, ratos, pombos, cobras e outras poluições do gênero.
O programa enaltece a competição e não fala em cooperação, como se aquela qualidade fosse um mérito e ainda fosse um valor na sociedade atual. Enquanto se vê as estruturas típicas do capitalismo se esfacelando, quando um ícone do capitalismo como o foi a GM está sendo bancada pelo Governo a ponto de virar piada na boca do Hugo Chavez, a Globo chegou ontem de Marte e parece que não sabe o que está acontecendo no planeta Terra.
Além desses valores morais existem aspectos que deveriam ser proibidos pelo Ministério Público tais como expor os seus participantes á condições de insalubridade e periculosidade. Cadê a responsabilidade objetiva da empresa Globo? Talvez ela só tenha conhecimento disso se ocorrer (Deus livre e guarde) algum acidente ou alguma doença em virtude das situações a que estão sendo expostos os seus participantes.
Além disso, o apresentador, Paulo Vilhena, parece que tomou curso de impostação da voz com o Roberto Justus. Decorou até as sentenças que o Justus fala no seu programa, só que este com elegãncia, apesar da soberba. Seria o ator da Globo uma versão cabocla do Roberto Justus?

sexta-feira, 12 de junho de 2009

ESTADO ATUAL E MELHORIAS NO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO E EXTERNO DA APF, VISANDO A MELHORIA DA GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

RESUMO

A importância da Gestão da Segurança da Informação para os governos é tema reconhecido, nacional e internacionalmente, em estudos, pesquisas e práticas implementadas pelas organizações públicas.

A formulação de uma política de Gestão de Segurança da Informação e Comunicações para a Administração Pública Federal Brasileira é atribuição da SGSIC.

A Secretaria Executiva do Conselho de Defesa Nacional, por meio da Instrução Normativa GSI n. 1, de 13 de junho de 2008, disciplinou a Gestão de Segurança da Informação e Comunicações na Administração Pública Federal, direta e indireta e dá outras providências.

Com a finalidade de contribuir para a melhoria da Gestão da Segurança da Informação e Comunicações na APF, estamos apresentando um diagnóstico da situação atual, com base em pesquisas realizadas por organismos confiáveis, dos quais citamos a fonte, e sugerindo a utilização de técnicas e métodos recomendados tanto nacionalmente quanto internacionalmente sem descurar da especificidade da legislação brasileira.

Conclui-se, com este trabalho, que a formulação de uma política de Gestão de Segurança da Informação foi um passo importante e estratégico para a implantação de um sistema nacional de segurança da informação e acredita-se que a sua implementação fornecerá um direcionamento relevante para a mudança da cultura da segurança da informação no Brasil.

(Esse trabalho está sendo realizado por mim, como parte da disciplina Auditoria e Certificação de Segurança da Informação, do curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações, na Universidade de Brasília.)

quarta-feira, 10 de junho de 2009

FESTA DE SÃO JOÃO

Mais uma festa de São João. De falta de festa você não pode se queixar. E indo nessa festa você estará colaborando para um Brasil melhor. Porquê? Claro, pois a renda vai resultar em melhores condições para uma organização que tem por finalidade o cuidado com o futuro do Brasil, ou seja, as crianças do Brasil.

terça-feira, 9 de junho de 2009

MAIORIDADE PENAL

O site "Agência Senado" está publicando uma Enquete sobre a Proposta de Emenda à Constitução (PEC 26/2002) que reduz a maioridade penal.
Mas o que significa isso? Vamos criminalizar os mais jovens, cada vez mais fracos, resultado de uma sociedade doente, que exclui as suas crianças, os seus velhos, os seus deficientes? Vamos impedir que a vida sobrepuje a morte? Vamos atacar os sintomas, os efeitos em lugar das causas? Pense bem, leia sobre o assunto e vote consciente, lembrando-se que você também está construindo o futuro desse País. Você também é responsável.

ENCONTRO COM POETAS POPULARES E RODAS DE CANTORIA


Dia 13 de junho haverá um Encontro com Poetas Populares e Rodas de Cantoria, no Rio de Janeiro. Para saber mais consulte o site www.ablc.bom.br.
O evento terá lugar na rua Leopoldo Fróes, 37, Santa Tereza, RJ.
VOCÊ É CONVIDADO.

GATINHOS

A revista Veja, de 03.06.09 publicou um artigo da sra. Lya Luft em que ela critica o fato das pessoas se dedicarem mais aos filhotes de animais do que aos humanos.

Infelizmente isso não é verdade. Do contrário não existiriam lindos gatinhos abandonados bem ao lado do prédio do Banco Central do Brasil, na SQS 102, em pleno centro de Brasília.

Pois é, estes lindos gatinhos estão lá, esperando que alguém que os ame e queira uma companhia muito fofa, os adote.

Eles retribuirão esse gesto com muito carinho e brincadeiras faceiras com o seu dono.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

FESTA DE SÃO JOÃO




Queridos amigos,

No próximo domingo, dia 7 de junho, será realizada mais uma festa junina do abrigo Nosso Lar.
Compareçam e aproveitem para levar seus amigos.
Todo o recurso arrecadado será destinado à conservação do abrigo, que atualmente está com um contingente de 70 crianças.

ADVOGADO

ESTOU PUBLICANDO ESTA NOTA POR SOLICITAÇÃO DO INTERESSADO.

VIDA E JUVENTUDE
Centro Popular de Formação da Juventude
CNPJ: 03.612.569/0001-04


EDITAL – Nº 006/2009

Processo Seletivo para contratação de Equipe Multidisciplinar para o PROGRAMA DE PROTEÇÃO AOS DEFENSORES DOS DIREITOS HUMANOS.

O Centro Popular de Formação da Juventude – Brasília – DF, no uso de suas atribuições legais, torna público, que estarão abertas as inscrições para o processo seletivo simplificado para contratação de:

ADVOGADO(A);


Por tempo indeterminado de acordo com a Legislação Pertinente e Complementar, mediante as normas e condições contidas neste Edital.

1. Das Disposições Preliminares:

1.1 Número de Vagas: 1 (uma) vaga para a função citada acima;
1.2 Regime de Trabalho: 40 (quarenta) horas semanais regidas pela CLT;
1.3 Habilidades e requisitos requeridos para a função:

§ Saber utilizar a Metodologia de Resolução Não Violenta de Conflitos;
§ Afinidade com a temática dos Direitos Humanos;
§ Capacidade de trabalhar em equipe interdisciplinar;
§ Capacidade de trabalhar em situações de risco e stress;
§ Capacidade de elaboração e sistematização da prática;
§ Comportamento ético nas relações sociais e de trabalho;
§ Habilidades em informática (digitação e internet);
§ Desenvoltura na Língua Portuguesa;
§ Inscrição regular em seu Conselho Profissional;
§ Disponibilidade para viagens freqüentes por períodos de 2 (dois) a 5 (cinco) dias consecutivos;


1.4 Principais atividades do(a) ADVOGADO(A):

§ Colaborar na consolidação da Política de Direitos Humanos na qual se insere o Programa Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos;
§ Subsidiar a coordenação nacional e a entidade gestora com as informações que se fizerem necessárias ao cumprimento adequado do Programa Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos;
§ Acompanhar, juridicamente, os casos envolvendo defensores sob proteção;
§ Orientar juridicamente a equipe interdisciplinar em sua intervenção;
§ Elaborar petições, pareceres e estudos relacionados a casos de testemunhas sob proteção;
§ Realizar triagem e traslado de defensores e seus familiares se necessário for;
§ Apresentar defensores sob proteção às autoridades requisitantes para depoimentos e outras diligências;
§ Relacionar-se com os órgãos que compõem o Sistema de Justiça e Segurança;
§ Alimentar os bancos de dados com as informações pertinentes;
§ Elaborar relatórios periódicos sobre o trabalho realizado;
§ Trabalhar junto à rede de parceiros do Programa;
§ Ter habilidade em resolver conflitos de forma não-violenta;


1.5 Da remuneração (Valores brutos mensais):

A - Advogado: R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais)

2. O Processo Seletivo constará de quatro etapas distintas:

a) Análise de Currículo;
b) Análise da Carta de Intenções
b) Entrevista;
b) Prova escrita teórica-prática referente ao cargo descrito.

2.1 As etapas serão realizadas no local e datas indicadas:

a. 03/06/2009 a 17/06/2009 - Período para postagem dos currículos e cartas de intenções para Caixa Postal nº. 8502, Agência de Correios SHS, CEP 70.312-970, Brasília-DF;

b. 22/06/2009 a 23/06/2009 - Análise dos currículos e cartas de intenções pela entidade gestora e posterior envio à Coordenação Nacional;


c. 24/06/2009 a 25/06/2009 - Convocação dos candidatos pré-selecionados para as fases de entrevista e prova escrita;

d. 26/06/2009 - Realização das entrevistas e provas escritas;


e. 29/06/2009 a 01/07/2009 – Início da capacitação e contratação do profissional selecionado;


3. Da Realização das etapas

a) Não serão aceitos currículos e cartas de intenções postados fora do prazo estipulado no item 2.1, “a”, deste edital;

b) No currículo serão analisados os seguintes aspectos: experiências de trabalho, atuação na área de Direitos Humanos, cursos de formação, referências, etc.

c) Na carta de intenções deverá conter as seguintes informações e formato:

- Trajetória profissional e perspectivas futuras;
- Razões pelas quais deseja fazer parte da equipe interdisciplinar do Programa;
- Compromissos profissionais, ou não, assumidos;
- Disponibilidade para trabalhar em regime de dedicação exclusiva e realizar viagens por período de 2(dois) a 5(cinco) dias consecutivos;
- A carta deverá conter, no máximo, 3 laudas, digitadas em times new roman, tamanho 12, espaço 1,5;



3.1 Entrevista :

A entrevista será destinada a avaliar as habilidades e requisitos requeridos para função, citadas no item 1.3 deste edital.

3.2 Prova Teórica-Prática:

a. Na prova não será admitida a comunicação direta ou indireta dos candidatos;
b. A prova escrita teórica-prática será destinada a avaliar os conhecimentos do candidato em relação a matéria do processo seletivo assim como sua capacidade de expressão em Língua Portuguesa;
c. A duração máxima da prova escrita teórico-prático será de 3 horas;

d. Indicação Bibliográfica:

DECRETO PRESIDENCIAL Nº 6.044, de 12 de fevereiro de 2007 – institui as bases da Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH
BOBBIO, Norberto – A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
COIMBRA, Cecília – Operação Rio: o mito das classes perigosas: um estudo sobre a violência urbana, a mídia impressa e os discursos de segurança pública. Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 2001.
COMPARATO, Fábio Konder – A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos. 4ª Ed., São Paulo: Editora Saraiva, 2005.
DIREITOS HUMANOS GAJOP – Os Direitos Humanos na entrada do novo milênio. Recife nº Especial, Nov./Dez., 1998.
DIREITOS HUMANOS GAJOP – A Proteção a Testemunhas no Brasil. Recife, ano 3, nº 7, Jan./Jul., 2001.
PIOVESAN, Flávia – Direitos Humanos e Direito Constitucional Internacional. Desafios do Direito Constitucional Internacional. 1ª Ed., São Paulo: Max Limonad Ed., 2000.
DECRETO PRESIDENCIAL Nº 6.044, de 12 de fevereiro de 2007


3.4 Da homologação dos resultados:

A Banca de Seleção elaborará relatório final contendo as diversas avaliações, referente aos candidatos em exposição sucinta, narrará os fatos e as provas do Processo Seletivo, justificando as indicações, se houver.


3.5 Da convocação:

As convocações para entrevista, prova escrita e contratação serão feitas por
E - mail ou por telefone.





3.6 Da contratação e capacitação:


a. A capacitação ocorrerá nos dias consecutivos à seleção e terá o objetivo de capacitar os novos profissionais nos temas base do Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos

b. A fase da capacitação dos novos profissionais tem como base, entre outras:

§ Legislação geral e específica do Programa de Proteção;
§ Manual de procedimentos que orienta a ação do Programa;
§ Dinâmica de trabalho do Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos;
§ Atribuições da Equipe Técnica;
§ Instrumentais utilizados pelo Programa;
§ Segurança – a importância do sigilo e os procedimentos de segurança;
§ Formação da rede de proteção; formação da rede de parceiros e montagem dos locais de atendimento.




JOSÉ IVALDO ARAÚJO DE LUCENA
Presidente

terça-feira, 2 de junho de 2009

O QUE É CONHECIMENTO

O conhecimento não existe separado das pessoas, dos processos, ou da infraestrutura de uma organização e de sua rede de relacionamentos. Ele é parte de todas estas coisas e progressivamente a parte mais essencial. A habilidade de mobilizar recursos de conhecimento tem se tornado mesmo mais crítica que a habilidade para controlar e acumular recursos físicos e financeiros. Assim como os recursos financeiros têm começado a tomar o carater de “commodities”, a habilidade de capitalizar recursos de conhecimento está se transformando em criação de singularidades e diferenciação de valor.
Quando uma organização desenvolve a habilidade para construir, acessar e alavancar seus recursos de conhecimento ela está criando uma vantagem de conhecimento.
A capacidade e o sucesso de uma sociedade é largamente função de como seus recursos podem ser alavancados. Eles incluem recursos naturais, locações geográficas, capacidade das pessoas e recursos como Capital Intelectual (IC). (1)(2)
Isso também implica, a longo-prazo, na responsabilidade de fomentar o desenvolvimento da força de trabalho competitiva que vai concorrer para economia global e regional.
_________________________________________________________________________________
(1) Capital Intelectual (IC) é usado para denominar todos os aspectos tácitos e explícitos da personalidade.
(2) O texto acima está baseado em artigos de Jean-Claude Guenón, Universidade do Canadá e Wiig, Karl. M.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

ROBERTO CARLOS



Tive a oportunidade de ouvir e assistir a um lindo espetáculo. A Globo transmitiu ontem, depois do Fantástico, a 1ª. de uma série de homenagens que serão feitas a Roberto Carlos pelos 50 anos de carreira.
Tive a oportunidade de ver a Ivete cantar por duas vezes, com a barriga de cinco meses, a Marron, a Nana Caymi, mas o que me encantou mesmo foi a Hebe, com uma música linda, que eu não conhecia, e com um visual belíssimo, um vestido branco, muito bem desenhado.
Valeu, acho que em uma época em que o "glamour" e mesmo o amor, o encantamento, o fascínio, são trocados pela aspereza do cotidiano, faz muito bem ao coração assistir a um programa que nos enleva, que nos faz sonhar.
Parabéns Roberto Carlos!
Você ainda consegue provar que existe muito mais entre o céu e a terra...