quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

A INFLUÊNCIA DA NORMA ESCRITA NA FORMAÇÃO DE UMA CULTURA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

Resumo: Um dos componentes principais identificados no conjunto Segurança da Informação e Comunicações é o homem. Não adianta existir um grande aparato tecnológico se o homem não estiver preparado, equipado e motivado para agir. E essa preparação envolve políticas, normas, procedimentos e treinamento organizacional.
Palavras-chave: Segurança da Informação e Comunicações, Políticas de Segurança, Normas de Segurança, Procedimentos de Segurança, Treinamento.

I - INTRODUÇÃO

A informação é um ativo que, como qualquer outro ativo importante, é essencial para os negócios de uma organização e consequentemente necessita ser adequadamente protegida. Isto é especialmente importante no ambiente dos negócios, cada vez mais interconectados. Como um resultado deste incrível aumento da interconectividade, a informação está agora exposta a uma grande variedade de ameaças e vulnerabilidades (ABNT NBR ISSO/IEC 17799:2005).

A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software e hardware.
Estes controles precisam ser estabelecidos, implementados, monitorados, analisados criticamente e melhorados, onde necessário, para garantir que os objetivos do negócio e de segurança da organização sejam atendidos. (ABNT NBR ISSO/IEC 17799:2005).

Organizações e indivíduos investem em medidas preventivas, tais como instalação de portas de segurança, para proteger seus bens. Muitos dos que implementam estas medidas também investem em mecanismos de detecção e monitoramento, como CFTV e alarmes). No entanto, mesmo a combinação dessas medidas não garante total segurança.
Mecanismos de resposta apropriada se tornam necessários quando ocorre um incidente de segurança. Por exemplo, quando soa um alarme, quando um ladrão consegue entrar na casa, todas as medidas previamente tomadas falharão se a polícia não aparecer na hora adequada.

Por esse motivo é necessário que uma organização identifique os seus requisitos de segurança.

Existem três principais fontes de requisitos de segurança da informação que são:

1. A primeira fonte é obtida a partir da análise/avaliação de riscos para a organização, levando-se em conta os objetivos e as estratégias globais do negócio da organização. Por meio da análise/avaliação de riscos, são identificadas as ameaças aos ativos e as vulnerabilidades destes, e realizada uma estimativa da probabilidade de ocorrência das ameaças e do impacto potencial no negócio.

2. A segunda fonte é a legislação vigente, regulamentações e contratos que a empresa, parceiros, funcionários e prestadores de serviço têm que atender.

3. A terceira fonte é o conjunto de princípios e requisitos para o processamento da informação.[1]

Mas como já dissemos anteriormente não basta conhecer o risco e dotar a organização dos mecanismos necessários à sua contenção.
O mais importante é preparar os agentes, pessoas, para a ação nos casos necessários, e é sobre esse assunto que vamos nos deter neste trabalho.

[1] SARANDIS, Mitropoulos, et alii. On incident handling and response: A state-of-art approah. Computers & Security (2006) 25, 351e370. http://www.elservier.com/locate/cose.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

A FORÇA DA INTERNET NO BRASIL

Fonte: Eugenio Carrascoza Andrecioli

Well, in the beginning, the only way to use the internet was on wired connection, basically a telephone to line make the connection. Around 2001~2002, We have the ADSL lines, but you need to have telephone to get a high speed connection.
And today we have wireless connection in almost all cities in the country. In 2008 we have 3 cities with 100% internet access for free to all people : Parintins, Pirai and sud Mennucci. In SPaulo state, we have the possibility to internet in the rural zones.
Let´s go to some numbers of Brazil…

Brazil has 190 million habitants in 5.600 cities. Minas Gerais have almost 900 cities. Amazonas has 62 and the Acre 22.
Brazil has 108 mil lan house. To make a compare, the country has almost 20 mil bank agencies. The country has around 150 mil education center and schools publics. All of them will have a high speed connection.
The MCT and MC has a projet called GESAC to do this. Private companies, like Bradesco, has telecentro too. Only Bradesco has 103 centros. Until to serve people from “assentamentos” of MST.
31 milhoes acessam a internet
24 milhoes das classe CDE
108 mil lanhouses

 AM Programa GESAC (Governo Eletrônico –Serviço de Atendimento ao Cidadão) já conta com 92 Pontos de Presença naquela região, sendo 32 em escolas estaduais, 49 em organizações militares e 11 em instituições civis organizadas. (Amazonas  62 municipios) (17 pontos de presença no município de São Gabriel com conexão gratuita à internet banda larga)
 Rio de Janeiro instala rede sem fio de banda larga no morro Santa Marta, na zona Sul. Rocinha e Baixada Fluminense são os próximos. A favela possui cerca de 10 mil moradores e 4 mil domicílios, num total de 1,6 mil computadores. Dos PCs, 800 têm conexão e sinal de 15 provedores comerciais.

 Governo leva Inclusão Digital para todas as cidades brasileiras : Quase 4 mil municípios se cadastraram no Ministério das Comunicações para receber os kits com equipamentos para a instalação de telecentros comunitários. No Amapá, Acre e Mato Grosso do Sul, a adesão foi total.
Atualmente, o Gesac conta com 3,4 mil pontos de conexão espalhados pelo país. Este número vai saltar para 20 mil até o final de 2008
Os militares da Marinha do Brasil que trabalham no posto da ilha de Trindade, a 1.167 km da costa brasileira, contam agora com internet banda larga (conexão em alta velocidade), por meio do ponto de presença do Gesac (Programa Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão) do Ministério das Comunicações.
Também neste período todas as 142 mil escolas públicas federais, estaduais e municipais serão conectadas à internet em banda larga. O projeto do ministério, em parceria com as companhias telefônicas, tem capacidade de atingir 180 mil entidades de educação, incluindo Apaes entre outras.

 Em 2008. Três cidades brasileiras têm cobertura 100% wireless: a amazonense Parintins, a fluminense Piraí e a paulista Sud Mennucci.

Embora esteja no meio da floresta, Parintins oferece o benefício a mais de 100 000 pessoas. Piraí tem apenas 24 000 moradores. Sud Mennucci não alcança sequer 8 000 habitantes.
Segundo propostas que tramitam no Congresso, um dos incentivos seria pagar os donos dos estabelecimentos se funcionarem também como uma espécie de "Poupatempo", o que aproximará o poder público do cidadão.
Discute-se a criação de um vale-internet, assim como se criou o vale-cultura. Há quem proponha que as lan houses não precisariam pagar pelas conexões, a serem bancadas pelos governos -existe um bilionário fundo para a democratização da informática (Fust), que já arrecadou R$ 8 bilhões e, por falta de regulamentação, não usou um único centavo.

A proposta mais interessante partiu da TV Cultura, que arregimentou parceiros de peso como o Comitê Gestor da Internet, Sesc, Senac, Itaú Cultural, Secretaria de Gestão do Estado de São Paulo, Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital, entre outros.

O que se pretende é colocar na barra de favoritos dos computadores das lan houses um botão que conduza a cursos profissionalizantes, programas educativos e cultura de qualidade. Quanto mais o botão fosse acionado, haveria mais prêmios para a casa.
Jovens seriam capacitados para o uso desses recursos e se tornariam monitores. Na cidade de São Paulo, a prefeitura criou um curso para a formação de agentes comunitários de comunicação. Tenho acompanhado a formação desses jovens de periferia que, em pouco tempo, aprendem como ensinar a usar melhor a internet.

EDUCADOR SOCIAL

A Associação Viver, entidade atuante em projetos sociais na Estrutural, seleciona:

Educador Social
Requisitos:
- 2º grau completo;
- Experiência na área de educação ou em projetos sociais com adolescentes.
Atividades:
- Reforço escolar para adolescentes de 12 a 16 anos;
- Planejamento de atividades e oficinas;
- Acompanhamento de adolescentes durante as atividades realizadas na instituição.

A entidade oferece salário compatível com o mercado e carga horária de 40hs.
Interessados encaminhar currículo para: fabiana@viver.org.br

Para conhecer o trabalho da Associação Viver, acesse: www.vivercrianca.blospot.com

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

DIAGRAMA DE LAÇOS CAUSAIS

1. Dependências causais e laços de feedback
Quando a variável X afeta a variável Y através de dependência positiva, isto significa que Y muda na mesma direção que X.
Esta dependência é representada por uma flexa com polaridade positiva. Se a variável X afeta a variável Y através de dependência negativa , isso significa que Y muda na direção oposta de X. Esta dependência é representada com uma flexa com uma polaridade negativa.
Referências:
Sterman, John D.(2000)"Business dynamics: systems thinking and modeling for a complex world". Boston: Irwin McGraw-Hill, 2000.
2. Sistemas Dinâmicos
Sistemas Dinâmicos reconhecem dois tipos de laços de feedback - positivo e negativo.
Laços de feedback positivo são algumas vezes chamados de reforço, enquanto os negativos podem ser referidos como balanceadores de equilibrio.
Isto pode ser ilustrado como um diagrama de laço causal. O exemplo que John Sterman dá em sua introdução para este assunto é da dependência entre galinhas e ovos. Quanto mais galinhas nós temos, mais ovos serão produzidos. Quanto mais ovos existem mais galinhas podem ser incubadas.
Por outro lado, laços de feedback negativos opõem mudanças ao longo da cadeia de dependência e estabilizam o sistema.
John Sterman oferece um exemplo similar para ilustrar este caso. Agora existem galinhas vivas e um bando de galinhas que atravessam a rua.
Neste caso, se nos colocamos mais galinhas, haverá uma alta chance de que mais delas atravessem a rua. Quando galinhas morrem na estrada, o resultado é que nós teremos menos galinhas do que costumava ter no início.

DELL NÃO ENTREGA O PRODUTO NO PRAZO ESTIPULADO

Vejam as respostas automáticas dadas pela vendedora

Ana boa tarde

Peço desculpas pelo inconveniente gerado em função do prazo estimado para entrega do seu equipamento. Estamos preocupados com a situação e trabalhando de forma dedicada para que isso não ocorra futuramente.

Devido à alterações na legislação tributária do estado de São Paulo, a Dell está passando por um processo de adequação às novas regras vigentes, o que ocasionou um aumento no tempo para emissão da nota fiscal de sua ordem.

Esta solução está sendo tratada como prioridade máxima pela Dell. Vou acompanhar o embarque de sua ordem e mantê-lo informado.

Caso tenha algum amigo, familiar ou conhecido que esteja interessado em adquirir um computador, por favor indique meu ramal 6588 e e-mail: berenice_sanchotene@dell.com, para que eu possa oferecer-lhes um atendimento preferencial e especializado. :)))


ATT

Berenice Sanchotene
DELL COMPUTADORES DO BRASIL
Representante de Vendas - CHAT

Novas aquisições e indicações:
0800 970 3384 - opção 1 - Ramal 6588

Indicações de amigos são muito bem vindas também II A T E N Ç Ã O: Como atendo direto no chat da Dell, o contato mais rapido comigo é por email ou retornando ao chat da Dell novamente.


Fax: 51 2104-5482 A/C Berenice Sanchotene Demais solicitações e Suporte à Vendas:
0800 970 3384 - opção 2 - Ramal 13200
Suporte Técnico: 0800 9703355 opção Opção 3 Agendamento de instalação: 0800 9703355 Opção 6 Status de pedido: http://support.dell.com/support/order/status.aspx?c=br&l=pt&s=gen&~ck=pn

www.dell.com.br
Dell Brasil
SIMPLIFIQUE A TECNOLOGIA COM A DELL.
Acompanhe as ofertas e novidades Dell no Twitter:
www.twitter.com/DellnoBrasil

Estamos sempre buscando aprimorar nosso relacionamento e atendimento aos nossos clientes.
Envie seus comentários a Daniel Vargas (daniel_vargas@Dell.com), Gerente de Vendas.
Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse e-mail


Para que possa acompanhar seu pedido, feche sua compra no site e coloque o meu ramal na compra - 6588. Segue os passos:
Definida a configuração, clique em "Adicionar ao carrinho".
Atualize o frete.
Atualizado o frete, clique em "Concluir a compra".
Faça seu pedido sem criar uma conta na Dell. Vá para 'Identificação e Endereço de Entrega'. Inclua o ramal 6588 no campo solicitado.
Escolha a forma de pagamento. Clique em "Continuar".
O último passo clicar no botão "Enviar o pedido".
Envie para este e-mail o número de controle gerado no site.


Berenice, por esse e-mail você vê que teve a compra de um mouse, só que até hoje não o recebi.
Gostaria de saber a quem recorrer.

Atenciosamente,

-----Mensagem original-----
De: berenice_sanchotene@dell.com [mailto:berenice_sanchotene@dell.com]
Enviada em: segunda-feira, 4 de janeiro de 2010 16:11
Para: Ana Rosa Abreu
Assunto: Resumo do Pedido Dell 302382114

Prezado Cliente:
----------------

IMPORTANTE: LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INFORMAÇÕES REFERENTES À SUA ORDEM DE COMPRA:

1 - Confirme se os dados informados abaixo estão corretos. Qualquer discrepância deverá ser manifestada expressamente por e-mail dentro do prazo de 24 horas após o recebimento deste e-mail. Não havendo a mencionada manifestação, serão consideradas corretas as informações prestadas abaixo.

2 - Os prazos médios de entrega de 15 dias úteis após a liberação do seu crédito para produtos fabricados no Brasil e 30 dias úteis após a liberação do seu crédito para produtos importados, são meramente estimados e poderão sofrer variações em caso de indisponibilidade de componentes, problemas logísticos, alfandegários, entre outros que fogem da alçada da Dell.

Para informações atualizadas sobre o status da sua ordem, favor consultar o link http://support.dell.com/support/order/status.aspx?c=br&l=pt&s=gen

3 - Os serviços de suporte pós-garantia e/ou outros serviços serão faturados em nota fiscal específica de prestação de serviços.

4 - Todos os produtos fornecidos pela Dell possuem garantia mínima de 01 (um) ano, já incluído nesse período o prazo de 90 (noventa) dias referente à garantia legal. Acesse termos de garantia (http://support.dell.com/support/topics/topic.aspx/la/shared/support/pt/warranty_information?c=br&cs=brdhs1&l=pt&s=dhs )para maiores informações.

5 - Conheça os Termos e Condições de Vendas
(http://www1.la.dell.com/content/topics/reftopic.aspx/gen/policy/pt/policy?c=br&cs=brdhs1&l=pt&s=dhs&~section=009 ) e a Política de Devolução (http://www1.la.dell.com/content/topics/reftopic.aspx/gen/pt/restocking?c=br&cs=brdhs1&l=pt&s=dhs), os quais são parte integrante desta venda.


INFORMAÇÕES DA ORDEM DE COMPRA
------------------------------

Data da Ordem: 04/01/2010

Data Estimada de Embarque : Para acompanhar o status da sua ordem e obter maiores informações referentes à mesma, favor consultar o link http://support.dell.com/support/order/status.aspx?c=br&l=pt&s=gen
informando os números de Pedido e Clientes indicados acima.

Detalhamento da Ordem

Qtd Item Descrição
--- -------- ---------------------------------------------
1 A3288164 MOUSE MICROSOFT WIRELESS MOBILE 3000 PRETO

AJUDA HUMANITÁRIA ÀS VÍTIMAS DO TERREMOTO NO HAITI






As Forças Armadas brasileiras auxiliando na distribuição de alimentos às vítimas do Haiti.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

SISTEMAS DINÂMICOS E MODELAGEM BASEADA NO AGENTE - DS e MBA

Donela Meadows fez a comparação entre sistemas dinâmicos e econometria em um trabalho que é muito bem conhecido entre a comunidade que estuda sistemas dinâmicos.
* D.H. Meadows (1979), The unavoidable a priori in Elements of The System Dinamics Method, ed. J. Randers, MIT Press, Cambridge, MA.

INTRODUÇÃO

A motivação para este estudo vem do crescimento da aplicação de modelagem e simulação para a resolucção de problemas.
Furthermore, Meadows mostra que os estudiosos dos campos de econometria e sistemas dinâmicos pensam sobre cada um deles como competidores ao invés de colaboradores.
Meadows sente que a rivalidade entre econometristas e estudiosos de sistemas dinâmicos pode ser similar à de duas espécies competindo pelo mesmo ninho. Somente uma pode prevalescer.

SISTEMAS DINÂMICOS E MODELAGEM BASEADA NO AGENTE

Um dos primeiros estudiosos a considerar dinâmica de sistemas e modelagem baseada no agente juntas é Phelan.
* S.E.Phelan (1999), A Note on the correspondence between complexity and sistems theory, Sistemic Practice and Action Research, vol.12.
S.E.Phelan menciona três pontos principais de diferença entre os dois campos:
"A teoria da complexidade tende para 1) foco na análise exploratória, 2) uso da modelagem baseada no agente; e 3) afirma que o crescimento da complexidade advém da interação de agentes seguindo regras simples.
Scholl não somente compare as duas metodologias de uma forma similar a de Phelam do ponto de vista de dinâmica de sistemas. Scholl traz a luz um exemplo de aplicação de tecnologia ABM para modelagem de SD - Miller´s Active Nonlinear Tests (ANTs - e faz um forte apelo para os demais pesquisadores da área de colaboração entre as duas metodologias. Ele afirma que a aplicação de SD e ABM para a mesma área tem o potencial de trazer novo insight para o benefício de ambos cientistas da complexidade e teóricos de sistemas.
Ele descobre que sistemas dinâmicos, a administração e a economia tradicionais tem diferentes conclusões sobre as causas do efeito dominó, enquanto a literatura do ABM é comparativamente silenciosa sobre esse assunto.
Agora nós veremos dois estudos que integram as duas abordagens sugeridas por Scholl. O primeiro estudo, realizado por Schieritz e Grossler, aborda o problema de gerenciamento da cadeia de suprimento usando o modelo que tem vantagens sobre os dois ABM e técnicas de SD. Schieritz e Grossler mesmo oferecem a implementação de um trabalho "juntando os dois ambientes de softwares Vensim e M-Plant em um modelo hierárquico.
O modelo de Schieritz and Grossler é discreto no nível macro e contínuo no nível micro. Isso torna o modelo mais flexível na estrutura da cadeia de suprimento.

Texto extraído e compilado do Projeto número: SS-KQS-3003
A COMPARISON OF THE SYSTEM DYNAMICS AND AGENT-BASED MODELING TECHNIQUES FOR REPRESENTATING COMPLEX SYSTEMS, de Iavor Nikolac Trifonov, October 16, 2003.

domingo, 24 de janeiro de 2010

PROJETO TAMAR - TARTARUGAS MARINHAS

Na praia do Forte, no Município de Mata de São João não deixe de visitar o Projeto TAMAR. É um esforço de biólogos que se dedicam há vinte anos a preservar a existência não só das tartarugas marinhas, como de outros animais marinhos ameaçados de extinção, como é o caso do tubarão lixa.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

ASSIM É SE LHE PARECE...

Volto a Salvador, uma cidade em que morei por vários anos e considerava um reduto de tranquilidade, de poesia e de criatividade. Onde o tempo transcorria mais devagar e onde a gente entendia perfeitamente que o tempo é função da sociedade. Aqui tudo era mais lento e mais bonito, tinha-se tempo para apreciar a natureza, para conversar, para amar.
O baiano pegava leve, pintava, bordava, tocava, bebia a sua cervejinha com toda a calma e felicidade do mundo.
Quando se chegava à cidade, sentiamos que haviamos deixado para trás todo o peso do mundo, entravamos em outra dimensão e íamos "passar uma tarde em Itapoã".
Dessa vez porém deparei-me com uma cidade totalmente diferente. Superlotada de carros, já enfrentei engarrafamento na vinda do aeroporto para o hotel. E o rapaz que foi me receber no aeroporto só falava que a cidade havia crescido bastante. Crescido ou inchado? E os shoppings? Dê-lhe shopping. Shopping da Paralela, Shoping Salvador, são os mais novos e mais badalados. O Iguatemi já era. Mais onde está havendo alguma vernissage de um pintor baiano? Isso de se falar em cultura deixou de ser interessante.
Os hotéis cheios de turistas, ávidos por consumo e saindo a rua em grupos e em ônibus especiais,pois os ladrões também estão ávidos por dinheiro. E o ACM não está mais aqui para devolver dinheiro de turista que foi roubado. Se uma cidade, como uma "polis" é uma reunião de pessoas, acabou-se a cidade de Salvador. Ficaram apenas os saqueadores. E ela vive agora apenas na memória de algumas pessoas que apreciavam ir à praia dos Corsários, sentar em uma barraca e comer carne de sol acompanhada de cerveja, gostavam de assistir a filmes de arte no Teatro Maria Betânia e na Biblioteca Central dos Barris, apreciavam lanchar na Perini da Pituba e assistir a shows no Teatro Castro Alves e ouvir música clássica nas segundas musicais no prédio da Reitoria da UFBA.
Visitei Salvador e me lembrei da cidade de Pompéia.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

MANTER A CHAMA

M:: Elisabeth Cavalcante ::

Esta semana quero compartilhar com vocês uma história bastante interessante que recebi pela internet. Embora não saiba a origem do texto, ela me encantou pela maneira simples com que evidencia o quanto, na maior parte do tempo, abandonamos o que deveria ser o foco principal de nossa atenção: manter acesa a chama de nossa luz interior.

Quando os problemas e desafios da vida material se tornam excessivos, nós rapidamente perdemos a capacidade de permanecer centrados e permanentemente alertas quanto ao maior valor que precisamos cultivar, que é a essência divina com a qual todos nascemos, e que permanece inalterada em qualquer circunstância.

Diante dela, tudo o mais deixa de ter importância, mas infelizmente a maioria de nós só adquire esta consciência em momentos cruciais, quando nossa própria vida se encontra ameaçada.

Proponho, então, que comecemos este novo ano, dispostos a não perder de vista a realidade de que a essência da vida é a impermanência, e que ela pode cessar a qualquer instante, sem qualquer aviso. Portanto, manter-nos focados no que de fato importa e não deixar para depois tudo o que for verdadeiramente valioso para nossa alma, é a decisão mais sábia que podemos tomar.

Ainda que possamos traçar metas e objetivos materiais a serem alcançados, o mais importante é saber que nenhuma delas jamais preencherá as reais necessidades de nosso ser. Este necessita apenas de sua própria luz e a nós cabe reconhecê-la e deixar que ela predomine sobre tudo o mais.

"Havia um rei que, apesar de ser muito rico, tinha a fama de ser um grande doador, desapegado de sua riqueza. De uma forma bastante estranha, quanto mais ele doava ao seu povo, mais os cofres do seu fabuloso palácio se enchiam.

Um dia, um sábio que estava passando por muitas dificuldades, procurou o rei.
Ele queria descobrir qual era o segredo daquele monarca.
Como sábio, ele pensava e não conseguia entender como é que o rei, que não estudava as sagradas escrituras, nem levava uma vida de penitência e renúncia, ao contrário, vivia rodeado de luxo e riquezas, podia não se contaminar com tantas coisas materiais.

Afinal, como sábio ele havia renunciado a todos os bens da terra, vivia meditando e estudando e, contudo se reconhecia com muitas dificuldades na alma.
Sentia-se em tormenta.
E o rei era virtuoso e amado por todos.

Ao chegar em frente ao rei, perguntou-lhe qual era o segredo de viver daquela forma, e ele lhe respondeu:
"Acenda uma lamparina e passe por todas as dependências do palácio e você descobrirá qual é o meu segredo".
Porém, há uma condição:
Se você deixar que a chama da lamparina se apague, cairá morto no mesmo instante.

O sábio pegou uma lamparina, acendeu e começou a visitar todas as salas do palácio.
Duas horas depois voltou à presença do rei, que lhe perguntou:
"Você conseguiu ver todas as minhas riquezas"?

O sábio, que ainda estava tremendo da experiência porque temia perder a vida, se a chama apagasse, respondeu:
"Majestade, eu não vi absolutamente nada.
Estava tão preocupado em manter acesa a chama da lamparina que só fui passando pelas salas, e não notei nada."

Com o olhar cheio de misericórdia, o rei contou o seu segredo:
"Pois é assim que eu vivo.
Tenho toda minha atenção voltada para manter acesa a chama da minha alma e, embora tenha tantas riquezas, elas não me afetam".
"Tenho a consciência de que sou eu que preciso iluminar meu mundo com minha presença e não o contrário".

PORTOBELLO ONDINA PRAIA HOTEL - AVISO AOS NAVEGANTES

Para não dizer que não falei da Bahia...

Chegar na Baía é uma aventura, eu amo o mar, gosto das praias de Salvador, gosto do Farol da Barra, mas a hospedagem é difícil, principalmente se você não pode escolher o hotel pois sou associada à Montreal Turismo e tenho que ficar com os que me são oferecidos por ela.
Assim foi que desembarquei na Bahia e fui hospedar-me no Portobello Ondina Praia Hotel, médio conforto, local aprazível, conforme a Montreal. O local, realmente, é ótimo. Em Ondina, em frente ao Othon, perto de tudo, principalmente perto da Barra.
Chego às dezenove horas da sexta feira em um Hotel lotado, e após preencher os documentos da portaria, recebo as chave de um apartamento. Ao chegar ao apartamento verifico que o mesmo não foi limpo após a saída dos últimos hóspedes.Desço incontinente, até esse momento minhas ações e reações ainda são imediatas, rápidas, e consigo a chave de outro apartamento,três andares mais abaixo, o apartamento 610. Ao entrar verifico que foi feita uma limpeza, só que o banheiro está com um cheiro horrível. Ligo para a portaria e sou informada que uma faxineira ira passar no apartamento, para colocar um "cheirinho" no banheiro. Só que não se trata somente de odor, este deve ser resultado de sujeira que precisa ser limpa.
Mas o que fazer aquela hora, já gastei quase uma hora de Bahia, só nessa brincadeira.
Para encurtar a conversa, só no dia seguinte consigo outro apartamento, com banheiro reformado, em outro andar. E aí é a luta para conseguir cada um dos objetos do quarto,pois como o meu anterior era triplo, e esse que consegui, com o banheiro cheiroso, é duplo, preciso de mais uma cama, de mais uma roupa de cama, de mais um jogo de toalhas que é trazido à conta gotas pelos baianos e baianas.
Haja paciência!
Com oito dias de Salvador, talvez eu já tenha me acostumado e aí esteja falando: Diga aí Bahia! Ô meu Rei, será que você pode conseguir um lençolzinho pra mim?
E o mais é festa!!!!!!!!Vou já para a praia!!!!!

PARA LEMBRAR DA MYGIFT



Cumpro o doloroso dever de avisar que a minha querida gata malhada, Mygift, não está mais nesse plano da existência em que podemos ver, sentir e pegar os corpos físicos.
A sua alma abandonou o seu corpo nesta quinta feira, dia 14 de janeiro de 2010.
E ontem, tive o prazer de sonhar com ela. Acredito que ela tenha me brindado com mais esse presente.
Mygift passou 6 anos em minha companhia e me deu muita alegria e companheirismo. Amei-a desde o primeiro momento que vi aquela gatinha pequenininha, precisando de cuidados e super carinhosa e amiga.
Vai com Deus Mygift!
Um dia estaremos novamente todos juntos e aí não haverá mais saudades, porque não haverá mais separação.
EU TE AMO!
"Porque o que acontece aos filhos dos homens, isso mesmo também acontece aos animais; a mesma coisa lhes acontece. Como morre um, assim morre o outro. Todos têm o mesmo fôlego, e nenhuma vantagem têm os homens sobre os animais. Tudo é vaidade" (Eclesiastes 3.19).

sábado, 16 de janeiro de 2010

No meio do caminho tinha uma pedra...

Uma poesia do poeta português Guerra Junqueiro conta a história de um garoto que é encaminhado pelo pai para se tornar um padre, uma profissão de futuro, as ofertas podem dar uma boa vida a quem delas se beneficiar. Qualquer semelhança com a vida de um político no Brasil de hoje é mera coincidência. Eu acredito na boa fé dos meninos do nordeste que querem resolver os problemas do Brasil até o dia em que chegando ao topo da carreira política percebem que existem alguns valores que não precisam ser tão rígidos assim. Afinal uma pequena concessão não faz mal desde que os fins sejam válidos.
Afinal, até Jesus Cristo foi tentado. Só que este não se deixou enganar pelo inimigo.Não vendeu a sua alma, não abdicou de sua missão na terra.
No caso dos nossos políticos, eles têm tropeçado na pedra com muita frequência.




Como se faz um monstro


I

Ele era nesse tempo uma criança loira

Vivendo na abundância agreste da lavoira,

Ao vento, à chuva, ao sol, pastoreando os gados,

Deitando-se ao luar nas pedras dos eirados,

Atravessando à noite os solitários montes,

Dormindo a boa sesta ao pé das claras fontes,

Trepando aos pinheirais, às fragas, aos barrancos,

No rijo e negro pão cravando os dentes brancos,

Radioso como a aurora e bom como a alegria.

Quando no azul do céu cantava a cotovia,

Aos primeiros clarões vibrantes da alvorada

Transportava ao casebre o leite da manada,

Acordando, a assobiar e a rir pelos caminhos,

Os lebréus nos portais e as aves nos seus ninhos.

E à tarde quando o Sol, extraordinário Rubens,

Na fantasmagoria esplêndida das nuvens,

Colorista febril, lança, desfaz, derrama

O topázio, o rubi, a prata, o oiro, a chama,

Ele ia então sozinho, alegre, intemerato,

Conduzindo a beber ao trémulo regato,

A golpes de verdasca e gritos estridentes,

Num ruidoso tropel os grandes bois pacientes.

O seu olhar azul de limpidez virtuosa,

Onde brilhava a audácia heróica e valorosa,

A candura infantil e a inteligência rara,

O timbre da sua voz imperiosa e clara,

A linha do seu corpo altivamente recta,

Tudo lhe dava o ar soberbo dum atleta

Em miniatura.

II



Um dia o pai, um bravo aldeão,

Chamou-o ao pé de si, e disse-lhe:«João:

À força de trabalho e à força de canseiras,

A moirejar no monte e a levar gado às feiras,

Consegui ajuntar ao canto do baú

Alguns pintos. Vocês são dois rapazes; tu,

Além de ser mais novo, és mais inteligente.

Vou botar-te ao latim; quero fazer-te gente.

Hás-de me dar ainda um grande pregador.

Hoje padre é melhor talvez que ser doutor.

Aquilo é grande vida; é vida regalada.

Olha, sabes que mais? manda ao diabo a enxada.

Aquilo é que é vidinha! aquilo é que é descanso!

Arrecada-se a côngrua, engrola-se o ripanço,

Arranja-se um sermão aí com quatro tretas,

Vai-se escorropichando o vinho das galhetas,

E a missa seis vinténs e doze os baptizados.

Depois, independente e sem nenhuns cuidados!

Olha, João, vê tu o nosso padre-cura:

É, sem tirar nem pôr, uma cavalgadura,

Vi-o chegar aqui mais roto que os ciganos;

Pois tem feito um casão em meia dúzia d'anos.

Isto é desenganar; padres sabem-na toda...

É o sermão, é a missa, é o enterro, é a boda.

É pinga da melhor, e tudo quanto há!

Quando o abade morrer hás-de vir tu p'ra cá.

Despacha-te o doutor nas cortes; quando não

Votamos contra ele, e foi-se-lhe a eleição.

Mas que é isso, rapaz? Nada de choradeira!

É tratar da merenda, e quinta ou sexta-feira

Toca pró seminário. Eu quero ir para a cova

Só depois de te ouvir cantar a missa nova».



III



Numa tarde d'Outono, a sonolento trote

Um macho conduzia em cima do albardão,

Já coluna da Igreja, o novo sacerdote,

O muitíssimo ilustre e digno padre João.

Ao entrarem na aldeia os dois irracionais,

Dos foguetes ao grande e jubiloso estrépito

Um velho recebeu nos braços paternais,

Em vez do alegre filho, um monstro já decrépito

Que acabava de vir das jaulas clericais.

Que transfiguração! Que radical mudança!

Em lugar da inocente, angélica criança,

Voltava um chimpanzé, estúpido e bisonho,

Com o ar de quem anda alucinadamente

Preso nas espirais diabólicas dum sonho.

Seu corpo juvenil, robusto e florescente,

Vergava para o chão, exausto de cansaço:

Os dogmas são de bronze, e a lã duma batina

Já vai pesando mais que as armaduras d'aço.

A ignorância profunda, a estupidez suína,

A luxúria d'igreja, ardente, clandestina,

O remorso, o terror, o fanatismo inquieto,

Tudo isto perpassava em turbilhão confuso

Na atonia cruel daquele hediondo aspecto,

Na morna fixidez daquele olhar obtuso.

Metida nas prisões escuras de Loiola,

A sua alma infantil, não tendo luz nem ar,

Foi como os rouxinóis, que dentro da gaiola

Perdem toda a alegria e morrem sem cantar.




IV



Como ninguém ignora, os sórdidos palhaços

Compram, roubam às mães as loiras criancinhas,

Torcem-lhes o pescoço, as mãos, os pés, os braços,

Transformam-lhes num junco elástico as espinhas,

E exibem-nas depois nos palcos das barracas,

Dando saltos mortais e devorando facas

Ante o espanto imbecil da ingénua multidão;

E para lhes cobrir a lividez plangente

Costumam-lhes pintar carnavalescamente

Na face de alvaiade, um rir de vermelhão.

Também o jesuitismo hipócrita-romano,

Palhaço clerical, anda pelos caminhos

A comprar, a furtar, assim como um cigano,

As crianças às mães, os rouxinóis aos ninhos.

Vão levá-las depois ao negro seminário,

Às terríveis galés, ao sacro matadoiro,

E escondem-nas da luz, assim como o usurário

Esconde também dela os seus punhados d'oiro.

Dentro da estupidez e da superstição,

Casamata da fé, guardam-lhes a razão,

A análise, esse forte e venenoso fluido,

Que, andando em liberdade, ao mínimo descuido

Poderia estoirar com trágica explosão.

O que o palhaço faz ao corpo da criança,

Fazem-lho à alma, até que dela reste enfim,

Em lugar do histrião que nas barracas dança,

O pobre missionário, o inútil manequim,

O histrião que nos prega a bem-aventurança

A murros de missal e a roncos de latim.

As almas infantis são brandas como a neve,

São pérolas de leite em urnas virginais:

Tudo quanto se grava e quanto ali se escreve,

Cristaliza em seguida e não se apaga mais.

Desta forma, consegue o astucioso clero

Transformar, de repente, uma criança loira

Num pássaro nocturno estúpido e sincero.

É abrir-lhe na cabeça a golpes de tesoira

A marca industrial do fabricante um zero!

COMPROMETIMENTO

"Se ela soubesse que iria morrer mas que iria ajudar as crianças, mesmo assim ela teria ido." Filho da Dra. Zilda Arns, sobre a ida da sua mãe para o encontro dos católicos no Haiti.
A vida só tem sentido quando você é capaz de arriscá-la para realizar a tarefa com a qual está comprometido. É a resposta à pergunta: _ Vale a pena o que eu estou realizando?
_ Estou totalmente comprometido com a ação que estou desenvolvendo?
_O que eu estou fazendo é maior do que a minha vida?
A Dra. Zilda Arns achava que sim.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

O FILHO DA MÃE - GUILHERME FIUZA - POLÍTICA E TUDO MAIS

Fonte: Época

Qua, 06/01/10por gmfiuza |categoria Geral


Venezuela e Argentina chegaram lá. Terminaram 2009 entre as maiores inflações do planeta. O Brasil não quer ficar para trás, e vem com o Plano Dilma 2010.

Como se sabe, até hoje boa parte do PT e da esquerda não engolem as concessões econômicas de Lula. Apóiam o filho do Brasil porque ele é o poder – hoje, muito poder – e a companheirada, como também se sabe, só pensa naquilo.

Mas nenhum petista que se preze se conforma, por exemplo, com a falta de um bom cabide no Banco Central. O partido não entende que o órgão mais poderoso do governo funcione sozinho, sem que Lula possa acordar invocado e botar uns aloprados na diretoria, para mexer à vontade no câmbio, nos juros, nas metas de inflação e superávit – essas catedrais neoliberais.

O Plano Dilma vai dar jeito nisso. Vem aí para pôr fim à inveja da Argentina e da Venezuela, que não têm entraves para enterrar dinheiro público na orgia populista. Top Garcia já está no comando da campanha.

É claro que o debate eleitoral vai passar ao largo disso. Na corrida presidencial, se discutirá basicamente o quanto Fernando Henrique era mau, o quanto Lula é bonzinho, e o quanto uma mulher, mãe, filha (e demais clichês de bondade) fará o governo ainda mais sensível e amigo do povo.

O filme está pronto. Não esse que estreou no cinema, com Lula feliz para sempre. O filme do Plano Dilma tem final diferente. Não olhem para Argentina e Venezuela, se não quiserem estragar a surpresa.

As aventuras da grande gestora prometem muitas emoções. Certa vez, numa visita com Lula ao Timor Leste, em 2008, a ministra da Casa Civil conversou com o primeiro-ministro Xanana Gusmão. Reiterou-lhe a disposição do Brasil de cooperar com a reconstrução do país amigo. E ofereceu financiamento para a construção de hidrelétricas por todo o Timor, aproveitando o know-how brasileiro.

Poucos meses depois, um pesquisador paulista (que prefere não ser citado) foi recebido por Xanana Gusmão. A autoridade timorense foi logo comentando o exotismo de Dilma Rousseff. Considerando que seu país é uma ilhota montanhosa, ainda não tinha conseguido entender onde a ministra brasileira pretendia instalar os lagos das hidrelétricas.

A grande gestora vem aí. Apertem os cintos.

A INFLUÊNCIA DA NORMA ESCRITA NA PROPAGAÇÃO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA NA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA FEDERAL

Há mais de uma década, o Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO) publicou a obra Internal Control – Integrated Framework para ajudar empresas e outras organizações a avaliar e aperfeiçoar seus sistemas de controle interno. Desde então, a referida estrutura foi incorporada em políticas, normas e regulamentos adotados por milhares de organizações para controlar melhor suas atividades visando o cumprimento dos objetivos estabelecidos.


Leia mais

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

TRAGÉDIAS QUE SE REPETEM

Artigo de Marina Silva na Folha de S. Paulo:

Fim de 2009, início de 2010, tragédia no Rio de Janeiro. Não bastava um episódio tão doloroso?

Não teria sido possível evitar as proporções terríveis do segundo?

O mais dramático nesses e em tantos outros casos é a repetição. Sugere inércia e uma irresponsabilidade insuportável que, passado o impacto inicial de vidas perdidas e a devastação de patrimônios tão duramente conquistados, retoma a rotina. E o discurso de que foi o excesso de chuvas a razão do desastre.

Áreas frágeis e não recomendadas para habitação continuam a ser ocupadas. Medidas preventivas permanecem sendo tomadas de maneira paliativa, com pouca verba, empenho e prioridade. Há iniciativas como o estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro sobre as vulnerabilidades do litoral do Estado às mudanças climáticas, mas sem consequências práticas.

As pessoas atingidas continuam a depender quase que unicamente do heroísmo de bombeiros, de grupos de defesa civil, de voluntários que, não raro, aparecem nos noticiários impotentes diante da desproporção entre suas forças e a enormidade da perda e da dor.

Não sei o que se pode dizer aos familiares e amigos das vítimas das chuvas e deslizamentos, mais do que foi dito às vítimas de Santa Catarina. As catástrofes causadas pelo mortífero tripé -chuvas fortes, encostas instáveis e construção em áreas inadequadas- só mudam de lugar. O que parece não acontecer é uma intervenção no único vetor do qual temos controle: o uso e ocupação das áreas.

Sei por experiência própria o que é a perda radical, como a que acontece quando uma correnteza avassaladora invade a casa, leva as pessoas e desmonta o nosso mundo.

Não há nada a fazer, a não ser tentar salvar-se e a quem esteja ao alcance da mão. Tudo tão brutal que muitas vezes nem as lágrimas acodem.

John Owen (1616-1683), pastor e teólogo, dizia que os pregadores precisam “experimentar o poder da verdade que pregam em e sobre suas próprias almas”. Quem não sente a alma incomodada pelo calvário daqueles que são atingidos de maneira frontal -e, na maioria das vezes, evitável- pelos fenômenos naturais não tem sensibilidade suficiente para mitigá-lo.

Não é justo, não é aceitável que a cada ano mais pessoas passem por tal experiência limite, quando se sabe que é possível fazer mais.

A melhor homenagem às vítimas é lutar para construir e instituir, até porque a tendência é aumentar a ocorrência dos fenômenos climáticos que agravarão ainda mais esse tipo de catástrofe, o que já deveria ser um pleno e efetivo direito da sociedade: a segurança ambiental.

04/jan/2010 por Partido Verde

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

ADVOGANDO EM CAUSA PROPRIA


Por Affonso Romano de Sant´anna.


Você sabia que há uns 500 anos havia advogados de insetos, advogados de ratos, advogados de golfinhos e advogados para várias espécies vivas? Só em torno de 1970, no entanto, surgiram os advogados das árvores. E o que aconteceu esta semana em Copenhague está nos fazendo rever a sabedoria dos antigos, que tinham uma relação mais inteligente com a natureza.


Em 1545, na França, apareceu uma praga de besouros. " O caso foi resolvido com a vitória dos insetos, defendidos é verdade pelo advogado escolhido para eles como exigia o processo, pelo próprio juiz episcopal. Este último, usando como argumento o fato de os animais, criados por Deus, possuírem o mesmo direito dos homens de se alimentarem de vegetais, recusara-se a excomungar os besouros". Isto nos vai contando Luc Ferry , ex-ministro da educação da França, no livro de leitura urgente- A NOVA ORDEM ECOLOGICA (Ed. Difel), enquanto diz que outro advogado dos insetos conseguiu que noutra cidade (Saint-Julien) o juiz determinasse que os gorgulhos deveriam ter um espaço de vida só para eles, resolvendo assim uma pendenga com os humanos.


Essa história da defesa da vida se repetiu, no passado, com as sanguessugas do lago Berna (1451), com os golfinhos em Marselha, com os escaravelhos de Coire. Enfim, nossos ancestrais sabiam dialogar com a natureza. Ao contrário, na modernidade, como diz Luc Ferry " a natureza para nós é letra morta". E um dos sábios responsável por esta estultícia é Descartes que dizia que os animais não estão com nada, bom mesmo é o sujeito que se intitula de " homo sapiens" e por isto burramente destrói a natureza.


Vejam como a vida é cheia de surpresas. Aquele ator que no filme era o "Exterminador do futuro"- o Schawazennegger, hoje governando a California, resolveu preservar o futuro.E acabou de dizer algo interessante: "A reunião de Copenhague é um sucesso, mesmo que seja um fracasso". Não é uma simples frase de efeito, é um fato. Estou entre aqueles que acham que soou o momento histórico de uma nova visão sobre o mundo, sobre o outro. A filosofia francesa dos anos 60 vivia falando do "outro", mas sempre relacionada a outro ser humano. Erro.


O outro começa com as bactérias e chega ao urso em extinção na Antártica ou a árvore mais próxima. Por isto, naquele livro, Luc Ferry diz que é : " chegado o tempo dos direitos da natureza, depois das crianças, das mulheres, dos negros, dos índios, até dos prisioneiros, dos loucos ou dos embriões".


Para quem não consegue se relacionar com um "semelhante" quando ele é "diferente" torna-se ainda mais difícil pensar que animal e planta não são simplesmente para serem dizimados. Mas existe pelo mundo graças. ao Green Peace e ao World Wild Fund, um "movimento pela libertação do animal". E a realidade nos fez descobrir que as árvores são seres vivos com direitos a um estatuto de preservação e sobrevivência. Bem que há algum tempo eu fiz um profético poema dizendo que um dia ergueríamos em nossas praças um monumento "ao animal desconhecido"- esses que dizimamos alegremente. Já se pode erguer também um monumento à " árvore desconhecida", como nas guerras ao " soldado desconhecido".


Se eu fosse escrever um texto pesado e filosófico sobre isto diria que Copenhague pode ser o inicio de uma outra epistemologia, uma outra visão da vida, do mundo e do conhecimento. Toda mudança histórica foi um deslocamento, a criação de uma nova episteme. Foi assim com Copérnico, com Newton, com Einstein. E já ficou provado que o modelo de "cultura" e " civilização" que tínhamos, fracassou. Estamos à borda do abismo. Enquanto os mais sensatos exigem que mudemos nosso modo de pensar e agir, outros, mais aferrados ao lucro insistem que não podemos mudar de modelo, porque isto ia provocar desemprego em massa e o caos social.


Eles, no entanto, não percebem que há nisto um irônico e trágico paradoxo: ok, vamos preservar os empregos, continuar destruindo florestas, enchendo o ar e o mar de veneno, e todos poderão continuar indo ao trabalho diariamente, até cairmos -de gravata ou macacão de fábrica, no abismo que nos espera.




(*)-Estado de Minas/ Correio Braziliense- 13.12.2009Clique aqui e veja site do autor

BRASÍLIA, NO FINAL DO ANO, VISTA PELA ÓTICA DE UMA CRIANÇA DE 4 ANOS (4)

Que bom que as árvores ainda existem.

Foto tirada por Rodrigo.

BRASÍLIA, NO FINAL DO ANO, VISTA PELA ÓTICA DE UMA CRIANÇA DE 4 ANOS (3)

Cadê as pessoas?





Fotos tiradas por Rodrigo.

BRASÍLIA, NO FINAL DO ANO, VISTA PELA ÓTICA DE UMA CRIANÇA DE 4 ANOS (2)






Fotos tiradas por Rodrigo.

BRASÍLIA, NO FINAL DO ANO, VISTA PELA ÓTICA DE UMA CRIANÇA DE 4 ANOS






Fotos tiradas por Rodrigo.