terça-feira, 26 de abril de 2011

NOTÍCIAS SOBRE OS CORREIOS

Correios de Portalegre em greve a 26 e 27 de abril
Diário Digital
25 de Abril de 2011
Os trabalhadores dos CTT do distrito de Portalegre vão fazer uma greve geral a 26 e 27 de abril, contra o agenciamento de pessoal não pertencente ao quadro para os giros de distribuição da correspondência.
«Os motivos desta greve têm a ver com a falta de trabalhadores dos CTT no distrito de Portalegre, a qual está a ser compensada de alguma maneira com recurso ao agenciamento de pessoal para os giros de distribuição da correspondência», disse à agência Lusa Amável Alves da direção do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações.
Durante os dois dias da greve, que se inicia às 00:00 horas do dia 26 de abril e termina às 24:00 do dia 27 de abril, os trabalhadores querem também que seja pago o subsídio de deslocação, além de alegarem que estão a ser encerradas estações do correio no distrito e se preparam para encerrar ainda mais.
Diário Digital / Lusa
________________________________________
Ladeira abaixo
Coluna Cláudio Humberto
24/04/2011

De julho de 2010 para cá, houve sensível queda de qualidade dos serviços dos Correios, segundo fontes da própria empresa.
Prejuízo gigante
Coluna Cláudio Humberto
24/04/2011

Em 2010, 14,4% das encomendas por Sedex foram entregues com atraso, provocando perdas de R$ 470 milhões aos Correios.
Tá feia a coisa
Coluna Cláudio Humberto
24/04/2011

Segundo o TCU, é pior a situação do Sedex, segunda maior receita dos Correios: a estatal pagou R$ 6 milhões em indenizações por atrasos.
Auditoria do TCU atesta desmonte dos Correios

Coluna Cláudio Humberto
24/04/2011

Ampla fiscalização do Tribunal de Contas da União nos Correios, a pedido do Congresso, fulmina a estatal, apontando graves problemas de infraestrutura e tratamento da carga. Assinado pelo então presidente do TCU Ubiratan Aguiar, o ministro relator José Jorge e procurador-geral Lucas Furtado, o documento (TC 014.882/2018-8) sustenta que desde 2008 a ECT já não mantém a eficiência que a caracterizava.
Fundo do poço
Coluna Cláudio Humberto
22/04/2011

Agora, nos Correios, quase não são exigidas formação e experiência para ocupar cargos de chefia; basta ser filiado ou apadrinhado do PT.
PT acusado de ‘aparelhar’ 20 mil cargos na ECT
Coluna Cláudio Humberto
22/04/2011

Técnicos de carreira da Empresa de Correios e Telégrafos revelam que está em curso um silencioso aparelhamento da estatal por militantes do PT, ocupando mais de mais de 20.000 postos de chefia, do nível estratégico ao tático-operacional. Para facilitar isso, o diretor Nelson Luiz de Oliveira Freitas, considerado o presidente da fato da ECT, reduziu os requisitos para cargos de chefia, em todos os níveis.
Saudades de Erenice
Coluna Cláudio Humberto
20/04/2011

Há no TCU estudos que deixam mal os Correios. A qualidade dos serviços caiu tão vertiginosamente que provoca saudades da gestão monitorada pela ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra.
Bônus estatais: privilégio descabido
Coluna Cláudio Humberto
15/04/2011

Há uma explicação paralela para essa corrida desenfreada atrás de cargos no segundo escalão do governo, com ênfase para presidências e diretorias de empresas estatais de todo tipo: os bônus que anualmente são distribuídos às suas principais figuras. São dezenas de milhões, senão mais, tirados do lucro dessas empresas que ganham o bolso de seus dirigentes. Uma espécie de cortina-de-fumaça impede que se tenha a conta precisa de quanto dinheiro é escoado do Banco do Brasil, da Caixa Econômica, dos Correios, da Petrobrás, de Itaipu, dos Bancos da Amazônia, do Nordeste e de tantas outras entidades governamentais ou mistas. Leia mais no artigo de Carlos Chagas.

3 comentários:

Anonymous disse...

coloque no google: "contratos superfaturados correios/ba" e veja o que diversos sites publicaram, entre eles: o teia de notícias com Gusmão Neto e o da rádio metrópole de Mário Kértesz.

ANA ROSA disse...

Amigo ou amiga, não sei, já que não se identificou.
As denúncias contra os Correios, infelizmente já provaram ser verdadeiras, no caso do Maurício, já que foi até filmada. No entanto não é esse o principal ponto da questão. A questão é mais dialética. E é a seguinte: Uma organização que vinha demonstrando ser séria, de repente passa a fazer água, deixar os clientes na mão, e malversar seus fundos. Em seguida é inflada com pessoas de fora, que parecem querem saneá-la, e mais à frente é erigida ao ápice, pode comprar aviões, que sabemos não ser barato, vender celulares, em total desrespeito à sua missão básica que é interconectar pessoas, e pode ter o seu proprio banco. Total descaracterização da organização. Você conhece Mário Kertesz? Desde quando? Da época do ACM?
É uma questão a ser pensada.
Abraços

Anonymous disse...

Rosa, se conheço Mário Kertesz não interessa. Alíás o que penso não interessa. O que interessa são os fatos e os fatos são incontestes, haja vista que envolvem servidores públicos (arquitetos, engenheiros, advogados, administradores, etc.) legalizando contratos de obras e serviços de engenharia, em total afronta a lei de Diretrizes Orçamentárias (artigo 112, na versão de 2010 e artigo 127 na verão de 2011), bem como, a lei 11.768, artigo 109; que segundo as mesmas obrigam às empresas e orgãoes públicos a utilizar o SINAPI para orçar serviços de engenharia realizados com recursos da OGU. A gerência de engenharia dos correios/ba implantou uma prática ilegal ao contratar serviços com base em pesquisas de mercado superfaturadas. Quem paga a conta? Você, eu e todos os cidadãos brasileiros que lutam por um país com instituições honestas. A pergunta que você deve fazer e divulgar é a seguinte (se você me permite): "-Com que objetivo tais contratos foram superfaturados? Quem vai pagar os prejuízos causados à ECT diante dos valores pagos desde de 2008? Leia as notícias dos sites que recomendei para verificar que a estimativa de prejuízos aos cofres públicos é da ordem de três milhões de reais por ano, caso pessoas como eu não estivessem atentas...A estimativa de prejuízos poderia alcançar quinze milhões de reais em cinco anos, caso os contratos tivessem continuidade. O TCU e o MPF estão investigando as denúncias através dos processos 031.349/2010-2 e 609/2010, respectivamente.