segunda-feira, 16 de maio de 2011

DENÚNCIA CONTRA A MINISTRA ANA HOLLANDA

Vi em um blog de cordel esta notícia rimada, não sem antes ter sabido, por meio dos jornais, dos nepotismos que estão ocorrendo naquela pasta. Gostei da forma do protesto e copio, com autorização da bloguista, com o intuito de que mais pessoas conheçam o ocorrido e os nossos dirigente prestem mais atenção no que fazem e no que deixam de fazer.

CORDEL DE SAIA recebeu do poeta Arievaldo Viana este poema de Pedro Paulo Paulino, natural de Canindé – CE.

A notícia.
Artistas populares de todo o Brasil que foram classificados no Prêmio Mais Cultura de Literatura de Cordel 2010 – Edição Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura, estão insatisfeitos com a demora no pagamento da premiação. O edital do concurso foi lançado em Juazeiro do Norte, no dia oito de junho do ano passado. O resultado final foi publicado no Diário Oficial da União, no dia 14 de dezembro de 2010 e republicado duas vezes. Destinado a iniciativas culturais vinculadas à criação e produção, pesquisa, formação e difusão da Literatura de Cordel e linguagens afins (xilogravura, repente, coco e embolada, entre outras), o concurso dispõe de premiação total de R$ 3 milhões. Porém, Até agora, o MinC não informou quando será feito o pagamento aos ganhadores.
O cordelista Pedro Paulo Paulino, de Canindé, Ceará, manifesta em versos o seu protesto:
O LULA SAIU DEVENDO
E A DILMA NÃO QUER PAGAR
*
Eu ganhei do Ministério
Da Cultura do Brasil
Um prêmio de 7 mil
Num concurso pouco sério
Pois não sei por qual mistério
A grana não quer chegar,
Não sei a quem reclamar,
Porém disso estou sabendo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
No mês de junho que vem,
Já vai completar um ano
Que vivo no desengano
Sem receber um vintém.
Você, poeta, também,
Que pôde participar
E também classificar
O seu trabalho, está vendo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Será que o Lula levou
A grana dos cordelistas
E também dos repentistas
E a todos nós enganou?
Ou será que ele deixou
Escondido num lugar
Que ninguém pode encontrar?
O tempo assim vai correndo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Esse prêmio intitulado
Patativa do Assaré
Vem usando de má-fé,
Porque já foi publicado.
O MinC comprou fiado,
Sem da conta se lembrar.
Vamos todos levantar
Nossa voz assim dizendo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
É assim que o MinC faz
Seu incentivo à Cultura,
Sem honradez, sem lisura,
Botando a gente pra trás?
Confesso que é demais
Dessa forma se humilhar
A Cultura Popular
Que há tanto já vem sofrendo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Se fosse prêmio à elite
Da cultura nacional,
Com certeza, o edital
Era nobre no convite.
Me deu até um palpite
Do Chico parodiar,
E pedra e bosta jogar
Na ministra, eu recomendo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Dê atenção, Ana Hollanda,
Aos poetas populares,
Pois quais serão os lugares
Que a ministra agora anda?
E por que é que não manda
O nosso prêmio entregar?
Com quem podemos falar,
Se ninguém tá respondendo?
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Poeta, ninguém engana,
Que está enganando a Cristo.
Parece que não vê isto
A ministra, dona Ana.
Será que ela se ufana
Dessa forma comandar
O ministério, e ficar
Todos nós aborrecendo?
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Fazemos Literatura
De Cordel com muito amor,
Mas é balela o valor
Que dizem dar à Cultura.
Eu digo: é mentira pura!
E podemos comprovar.
Só fazem nos enganar,
Como vem acontecendo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Você, lá do outro lado,
Ó poeta Patativa,
Defenda a memória viva
Do seu nome festejado!
Que você foi enganado,
Pois resolveram botar
O seu nome num lugar
Que não está merecendo:
O Lula saiu devendo
E a Dilma não quer pagar.
*
Autor: Pedro Paulo Paulino – Canindé - CE
(13/05/2011)
Acesse :
http://rosarioecordel.blogspot.com
http://cantinhodadalinha.blogspot.com

2 comentários:

Rosário Pinto disse...

Olá Ana Rosa,
Obrigada por aderir àonde de protestos contra a pouca vergonha e o descaso com a cultura popular, principalmente com os poetas de cordel. Abriram um Edital em 2010, para pagamento das premiações até novembro daquele ano e até agora - NADA. Fazem de joguete pessoas que vivem com pequenos recursos e que cumpriram à risca as normas do tal edital. Pensava-se que, como todo edital as determinações são cumpridas de parte a parte. Os poetas e outros artistas, concorrente em outras categorias, preparam projetos, com justificativas e propostas de orçamentos para a aplicação do prêmio. Pra que? Acho que foi tudo "boca de urna". O dinheiro, se havia, foi gasto nas campanhas megalômanas.
Mais uma vez lembro do general francês Charles de Gaulle: "este país não é sério". Faz tantos anos e a afirmativa se mantém. Pena... para nós, o povo!

Rosário Pinto disse...

Querida Ana Rosa,
Sempre se senti identificada com uma causa denunciada por nós, poetas de cordel e artistas populares, sinta-se totalmente livre para captar e difundir. Há outras feitas lá no CORDEL DE SAIA, como a do poeta Antonio Barreto, Maria do Rosário Lustosa e, aproveito para deixar aqui, o protesto da poeta Dalinha Catunda. General Degaule, há anos e anos atrás tinha e continua tendo razão: "este país não é sério. Veja o poema CADÊ A GRANA:

CADÊ A GRANA?
+
Se o Lula saiu devendo,
E Dilma não quer pagar,
É hora dos cordelistas,
Botarem a boca no ar,
E saber qual o mistério,
Que tem esse ministério
Que o prêmio não quer pagar.
+
Coitado do Patativa
Respeitável cidadão,
Deve estar se contorcendo
Dentro do seu caixão,
Vendo que este projeto
Que tem um nome correto,
Hoje virou gozação.
+
Tudo que vem do governo
Parece ter armação.
O pobre poeta ganha
Mas fica sempre na mão,
Pois a verba destinada
Não chega a ser liberada,
Causando desilusão.
+
Cordelistas contemplados,
Com esta premiação.
Fizeram os seus projetos,
Porém sonharam em vão.
Hoje a tristeza no rosto,
Estampa um ar de desgosto,
Vendo tal situação.
+
Braveja Rosário Pinto,
Lamenta Mestre Azulão.
Lamenta o Campinense,
Só porque tem precisão.
Lamento de todo canto,
Regados ou não a pranto,
Ecoam na imensidão.
+
Da ministra da Cultura,
Queremos uma resposta.
Queremos cartas na mesa
Nela a verdade bem posta,
Pois a consideração
É coisa que um cidadão,
De bem e respeito gosta.
+
Todo poeta devia,
Fazer sua reclamação.
A voz de cada poeta,
É uma arma de precisão
Dando seus tiros certeiros
Neste bando de embusteiros,
Que tem o poder na mão.
+
Meus queridos poetas,
Da cultura popular,
Botem a boca no trombone,
É hora de reclamar,
Lutar pelos seus direitos,
Ganhar pelos seus feitos,
Vamos a verba cobrar.
+
Texto e imagem: Dalinha Catunda
Visite: www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.rosarioecordel.blogspot.com

Com nossos veementes protestos,
Rosário Pinto