segunda-feira, 30 de junho de 2014

FILHOS DE DEUS

O livro de Deuteronômio, no seu capítulo 14 e verso 1, diz: "Filhos sois do Senhor vosso Deus; não vos cortareis a vós mesmos, nem abrireis calva entre vossos olhos por causa de algum morto".

Ora, o que vemos aí é que a nossa relação com Deus é muito mais afetuosa do que aquela que havia entre os antigos e seus deuses. É dito ao povo de Israel que ele é filho do seu Deus. E acredito que aquelas pessoas sabiam que um filho é um ser a quem o pai ama. Esse pai não está de olho no filho pra que o castigue caso faça alguma coisa contra a sua vontade, mas está ali para ensiná-lo a seguir o caminho do bem, porque também o pai quer o filho perto dele e que o filho feliz e abençoado.

O mesmo livro de Deuteronômio, no mesmo capítulo e verso seguinte diz:"Porque tu és povo santo ao Senhor teu Deus, e o Senhor te escolheu para lhe seres o seu próprio povo, acima de todos os povos que há sobre a face da Terra".

Vemos aí uma relação de intimidade e que o Senhor Deus de Israel tem uma atenção toda especial para com o seu povo e para isso pretende lhe dar um lugar de destaque no meio dos outros povos.

Já no livro de Salmos, no capítulo 103 e versículo 13, o salmista Davi, que era um homem segundo o coração de Deus, diz:"Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem".

O salmista faz uma alusão, uma comparação do sentimento de Deus ao sentimento de um pai, porque Deus é nosso Pai. Então, se queremos entender o seu sentimento para com o povo de Israel, é mister compará-lo com algo que conhecemos que é o sentimento de um pai natural.

Que Deus é o Pai da Nação de Israel já não temos dúvidas. Agora, quanto à nós, o importante é que Ele nos adotou e temos testemunhos de pais adotivos que dizem ser este amor igual ou maior do que o que dedicam aos filhos biológicos, pois aqueles foram escolhidos por ele, para lhes ser por pai. E nós temos a filiação a Deus, por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo, que veio em carne a esse mundo para nos redimir e nos ligar ao Pai Celestial.

Então, a única coisa que temos que ter em mente é o amor de Deus Pai Todo Poderoso, que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que crê não pereça, mas tenha a vida eterna, conforme nos diz João, no versículo 3:16 do seu evangelho. Se tivermos em mente e nos nossos corações que Deus nos ama, não teremos medo, pois Ele nos deu a promessa que estaria conosco, todos os dias da nossa vida e nos pegará no colo, quando precisarmos. Se tivermos uma dor, podemos falar com Ele e sabemos que fará coisas infinitamente maior do que pedimos ou pensamos.

terça-feira, 10 de junho de 2014

LEI Nº 12.990, DE 9 JUNHO DE 2014.

Presidência da República

Casa Civil

Subchefia para Assuntos Jurídicos

Reserva aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o Ficam reservadas aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União, na forma desta Lei.

§ 1o A reserva de vagas será aplicada sempre que o número de vagas oferecidas no concurso público for igual ou superior a 3 (três).

§ 2o Na hipótese de quantitativo fracionado para o número de vagas reservadas a candidatos negros, esse será aumentado para o primeiro número inteiro subsequente, em caso de fração igual ou maior que 0,5 (cinco décimos), ou diminuído para número inteiro imediatamente inferior, em caso de fração menor que 0,5 (cinco décimos).

§ 3o A reserva de vagas a candidatos negros constará expressamente dos editais dos concursos públicos, que deverão especificar o total de vagas correspondentes à reserva para cada cargo ou emprego público oferecido.

Art. 2o Poderão concorrer às vagas reservadas a candidatos negros aqueles que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição no concurso público, conforme o quesito cor ou raça utilizado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

Parágrafo único. Na hipótese de constatação de declaração falsa, o candidato será eliminado do concurso e, se houver sido nomeado, ficará sujeito à anulação da sua admissão ao serviço ou emprego público, após procedimento administrativo em que lhe sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa, sem prejuízo de outras sanções cabíveis.

Art. 3o Os candidatos negros concorrerão concomitantemente às vagas reservadas e às vagas destinadas à ampla concorrência, de acordo com a sua classificação no concurso.

§ 1o Os candidatos negros aprovados dentro do número de vagas oferecido para ampla concorrência não serão computados para efeito do preenchimento das vagas reservadas.

§ 2o Em caso de desistência de candidato negro aprovado em vaga reservada, a vaga será preenchida pelo candidato negro posteriormente classificado.

§ 3o Na hipótese de não haver número de candidatos negros aprovados suficiente para ocupar as vagas reservadas, as vagas remanescentes serão revertidas para a ampla concorrência e serão preenchidas pelos demais candidatos aprovados, observada a ordem de classificação.

Art. 4o A nomeação dos candidatos aprovados respeitará os critérios de alternância e proporcionalidade, que consideram a relação entre o número de vagas total e o número de vagas reservadas a candidatos com deficiência e a candidatos negros.

Art. 5o O órgão responsável pela política de promoção da igualdade étnica de que trata o § 1o do art. 49 da Lei no 12.288, de 20 de julho de 2010, será responsável pelo acompanhamento e avaliação anual do disposto nesta Lei, nos moldes previstos no art. 59 da Lei no 12.288, de 20 de julho de 2010.

Art. 6o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação e terá vigência pelo prazo de 10 (dez) anos.

Parágrafo único. Esta Lei não se aplicará aos concursos cujos editais já tiverem sido publicados antes de sua entrada em vigor.

Brasília, 9 de junho de 2014; 193o da Independência e 126o da República.

DILMA ROUSSEFF

Miriam Belchior

Luiza Helena de Bairros

segunda-feira, 2 de junho de 2014

O que será o amanhã...

" a vontade humana é capaz de influenciar o futuro de forma a favorecer o desejável e esta capacidade fundamenta uma obrigação moral de refletir sobre o futuro e sobre as suas trajetórias possíveis." Michel Godet.

Estamos vivendo épocas conturbadas. Como vivemos no Brasil, achamos que o problema maior encontra-se aqui, com crises morais, falta de valores, violência urbana, propagandas políticas falsas e desencontradas.

No entanto, se olharmos para o resto do mundo, o panorama não é mais animador. Já houveram épocas em que as palavras de ordem foram: "Brasil, ame-o ou deixe-o!" Hoje não é isso o que nos interessa. O que nos importa é construir um futuro em que os nossos filhos possam viver e ser felizes, aqui no Brasil. Assim, importa a nós, a cada um de nós, levantar do sofá, sair do comodismo e se importar, e se importar muito mesmo, com os destinos políticos da nossa nação. Desculpem-me os teóricos, os formadores de opinião que ficam a engrossar uma crítica ao governo atual sem apresentar soluções para um governo futuro. Queremos sim, uma nova forma de fazer política e vamos tentar, até acertar. Vamos estudar, vamos criticar, mas apontando soluções, ou procurando soluções e não vamos temer o futuro e sim recriá-lo, quantas vezes forem necessárias.

Eu acredito nas pessoas de bem que existem nesse país. E estas pessoas não são poucas, pessoas interessadas em mudar o estado atual em que nos encontramos sem destruir o que já construimos, mas compondo, se encontrando, se procurando, somando. Vamos montar esse enorme quebra-cabeças, chamado Brasil.