quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Número Zero

A ideia totalmente equivocada de que a democracia e o capitalismo radical compactuam não apenas entre si, mas também com a modernidade, o progresso e a reforma, dominou a mente de muitos brasileiros. Aproximadamente 57 milhões de brasileiros entregaram o nosso destino nas mãos de políticos que alardeiam exatamente esses valores enquanto outros, mais tradicionais, são esquecidos ou tidos como insignificantes.
Assim, vemos dia após dia, declarações aterrorizantes ou apenas de total demonstração de desconhecimento de uma realidade simples e que em grande parte define o caráter do povo brasileiro.
Outras declarações demonstram apenas o nonsense e beiram o absurdo. Frases como a que foi dita pelo Onix Lorenzoni que comparou o risco corrido pelas crianças cujos pais ou responsáveis são possuidores de armas de fogo que permanecem guardadas em casa, ao risco de acidente doméstico causado pelo uso inadequado de um liquidificador.
Assim, ao cabo de apenas uma quinzena do novo governo já temos um glossário de palavras e frases usadas totalmente fora do contexto, mas que pela certeza com que eles as pronunciam parecem verdadeiras.
Verdades que fariam corar o próprio Umberto Eco que já previa situação semelhante no seu ultimo livro escrito, Numero Zero. Nesse livro, um grupo de jornalistas e outros profissionais liberais, recrutado de vários lugares e pagos com um ótimo salário tem uma única missão: escrever um jornal que nunca será publicado.
Espero no entanto que a estada desse novo sistema de governo seja bastante documentada para que possamos analisar a propriedade dessa mudança que se prenuncia brusca na economia e nos costumes sociais.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019